A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Aquecimento global acelerou mais que o previsto

Aquecimento global acelerou mais que o previsto
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As temperaturas globais devem subir, ao longo dos próximos cinco anos, para valores 1,2 ou 1,3 graus acima dos níveis anteriores à Revolução Industrial, segundo o relatório agora publicado pela Organização Mundial da Meteorologia (OMM).

Estes valores estão perto dos limites fixados pelo acordo de Paris em 2015.

"Devemos ter em mente que estas estatísticas não só são alarmantes como dissipam qualquer falso sentimento de segurança que possamos ter de que vamos ultrapassar esta situação. São números elevados, no que toca à rapidez do aumento das temperaturas", disse Maxx Dilley, diretor da OMM.

Também segundo este relatório, os últimos quatro anos foram os mais quentes desde que há registo e ficaram 0,2 graus acima dos quatro anos anteriores.

Maxx Dilley pede mais empenho aos governos: "As contribuições de cada país vão ter de ser três vezes mais ambiciosas que agora, se queremos chegar ao objetivo dos dois graus e cinco vezes mais ambiciosas para chegarmos ao objetivo de um grau e meio. Isso partindo do princípio que os compromissos são, de facto, implementados".

O relatório chega na mesma altura em que a Rússia, através do primeiro-ministro Dmitri Medvedev, aprova a implementação do acordo de Paris, mesmo se não ratifica oficialmente o acordo, devido a uma nuance jurídica. No entanto, Moscovo promete adaptar os princípios do acordo às leis locais.

A redução do aquecimento global é o principal objetivo do acordo... teme-se que uma subida de dois graus acabe com 99% das atuais barreiras de coral e derreta uma grande parte do gelo marítimo do Ártico.