EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Boris Johnson reage à decisão do Supremo Tribunal britânico

Boris Johnson reage à decisão do Supremo Tribunal britânico
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro britânico aceita a decisão do Supremo Tribunal, mas afirma que com o Parlamento de volta aos trabalhos, o Brexit com acordo fica "mais difícil".

PUBLICIDADE

Boris Johnson sofreu uma derrota política no Supremo Tribunal, mas a decisão dos juízes - diz o primeiro-ministro britânico - é para respeitar.

Depois de a suspensão do parlamento ter sido considerada ilegal por unanimemente por um colégio de 11 juízes, Johnson ponta o dedo aos opositores do Brexit.

"Devo dizer que discordo veementemente da decisão dos juízes. Não me parece estar correta, mas vamos continuar e o Parlamento também, claro. Mas acho que o mais importante é concretizar o Brexit, a 31 de outubro, objetivo que os opositores vão claramente tentar frustrar e impedir", afirmou o primeiro-ministro britânico.

Após conhecer a decisão do Supremo Tribunal, Boris Johnson admitiu ainda, em Nova Iorque, onde se encontra para participar na Assembleia-Geral das Nações Unidas, que uma saída da União Europeia com acordo está agora ainda mais longe.

"Acho que acreditam que a prorrogação que escolhemos era algo que não podiam aprovar. É um julgamento incomum, na minha opinião, [uma vez que] o Parlamento já usou a prorrogação. A prerrogativa da prorrogação é muito antiga e julgo nunca ter sido contestada desta forma", disse.

A oposição pede agora a demissão do primeiro-ministro. No entanto, em caso de eleições, as últimas sondagens apontam para uma vitória do partido Conservador, 15 pontos percentuais acima dos resultados conseguidos pelos Trabalhistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Boris Johnson regressa ao Reino Unido

Supremo Tribunal do Reino Unido analisa suspensão do parlamento

Boris Johnson tem plano para contornar parlamento