Última hora

PM britânico afirma que vai respeitar decisão do Supremo

PM britânico afirma que vai respeitar decisão do Supremo
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirma que vai respeitar a decisão do Supremo Tribunal. Johnson adiantou contudo discordar totalmente do veredito.

Uma fonte no gabinete do primeiro-ministro rejeitou qualquer sugestão de que Boris Johnson venha a demitir-se do cargo.

Esta terça-feira, o Supremo Tribunal do Reino Unido decretou a suspensão do parlamento britânico ilegal. Por unanimidade, o colégio de 11 juízes da mais alta instância judicial do país deu razão aos argumentos que acusam Boris Johnson de ter induzido a rainha Isabel II em erro,

"O Tribunal é assim levado a concluir que a decisão de aconselhar Sua Majestade o prorrogar o parlamento foi ilegal, porque teve o efeito de frustrar ou impedir a capacidade do parlamento de levar a cabo as suas funções constitucionais, sem qualquer justificação razoável. A prorrogação foi vã e inconsequente. O parlamento não foi prorrogado legalmente. Esta foi a decisão unânime dos 11 juízes. Cabe agora ao Parlamento decidir o que fazer a seguir", anunciou a presidente do Supremo Tribunal do Reino Unido, Lady Hale.

O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, anunciou já que Westminster volta aos trabalhos a partir desta quarta-feira. A oposição prepara-se para pedir a retirada do primeiro-ministro do governo do país.

Boris Johnson está atualmente em Nova Iorque, a participar na Assembleia Geral das Nações Unidas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.