A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

UE promete retaliação contra agravamento das Taxas Alfandegárias

UE promete retaliação contra agravamento das Taxas Alfandegárias
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Olho por olho, dente por dente. As taxas alfandegárias impostas pelos Estados Unidos a produtos europeus, como vinho, queijo ou whisky, prometem agravar a tensão comercial existente entre Washington e Bruxelas. A retaliação norte-americana surge na sequência de um braço-de-ferro jurídico de 15 anos, decidido a favor dos Estados Unidos pela Organização Mundial do Comércio (OMC), mas o caso promete não ficar por aqui.

Jean-Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia, não deixa margem para dúvidas e reagiu à decisão da OMC dizendo que "a Europa defende sempre o comércio livre e justo, baseado na igualdade e reciprocidade", garantindo que "não somos ingénuos" e "se alguém impuser taxas no nosso setor da aviação, nós faremos exatamente o mesmo."

Na origem da contenda está a atribuição à Airbus de vários milhões de dólares em subsídios ilegais pela União Europeia, a gigante da aeronáutica também enfrenta um agravamento das taxas alfandegárias nos Estados Unidos, numa medida que acaba por prejudicar as agências de aviação norte-americanas que usam aeronaves europeias.

Falta agora a OMC pronunciar-se sobre um processo inverso, movido pela União Europeia a propósito da Boeing. Certo é que a guerra comercial, que já tinha levado ao agravamento das taxas europeias ao whisky e aço norte-americanos o ano passado, está para durar.