Última hora

A luta das mulheres artistas pela visibilidade antes de 1919

A luta das mulheres artistas pela visibilidade antes de 1919
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Há cem anos as mulheres foram autorizadas a estudar na Academia de Artes de Berlim, apenas alguns meses depois de as cidadãs alemãs terem obtido o direito ao voto.

A Antiga Galeria Nacional, em Berlim, assinala o centenário com uma exposição de obras de arte produzidas por mulheres ainda antes desta abertura.

"Olhámos para a nossa coleção e reparámos que havia artistas do sexo feminino antes deste tempo. Como é que elas ganharam destaque? Como conseguiram colocar os seus trabalhos na coleção da Antiga Galeria Nacional? E como devemos avaliar essas pinturas hoje?", questiona Ralph Gleis, diretor da Antiga Galeria Nacional.

No início do século XIX, algumas mulheres artistas conseguiram construir carreiras excecionais num meio predominantemente masculino. Envolveram-se em associações de artistas, onde lutaram para conseguirem expor as suas obras e obter apoios.

"As mulheres artistas fizeram parte do movimento pelos direitos das mulheres no século XIX. E ao mesmo tempo, há que referir, agruparam-se em redes e abriram as suas próprias organizações profissionais, as chamadas academias de mulheres. Mas também continuaram a trabalhar para conseguirem direitos políticos iguais e o mundo não era só o império alemão. Para muitas mulheres artistas, Paris tornou-se um refúgio e uma etapa importante nas suas vidas", realça a curadora da exposição, Yvette Deseyve.

A exposição conta com mais de 60 quadros e esculturas criadas por mulheres, obras anteriores a 1919.

A mostra que tem por tema luta das mulheres pela visibilidade antes de 1919 está aberta ao público até 8 de março, na Antiga Galeria Nacional, em Berlim.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.