Última hora

União Europeia aceita adiar o prazo do Brexit

União Europeia, a 27, revela acordo para adiamento do divórcio com o Reino Unido
União Europeia, a 27, revela acordo para adiamento do divórcio com o Reino Unido -
Direitos de autor
REUTERS/Vincent Kessler
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

União Europeia aceita adiar concretização do Brexit para 31 de janeiro de 2020.

Líderes dos "27" acordaram conceder mais uma extensão flexível do período de negociação do "divórcio" com os britânicos, anunciou o presidente do Conselho Europeu, numa publicação nas redes sociais, esta segunda-feira de manhã.

"A decisão é esperada ser formalizada através de um procedimento escrito", acrescentou Donald Tusk.

O adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia havia sido pedido pelo Governo britânico através de uma controversa carta não assinada pelo primeiro-ministro Boris Johnson, enviada a 19 de outubro, depois do Parlamento ter aprovado a chamada Lei Benn, exigindo um pedido de adiamento aos "27" caso não houvesse àquela data um acordo fechado para o Brexit.

Numa primeira reunião, na sexta-feira, os "27" tinham falhado o acordo, supostamente devido a exigências sobretudo de França. Após uma nova reunião dos embaixadores, esta segunda-feira de manhã, foi finalmente acordada a concessão de mais tempos aos britânicos.

A extensão do prazo tem um cariz flexível. Caso o Parlamento britânico venha a aprovar antes da nova data definida o acordo firmado entre o primeiro-ministro britânico e os "27" da UE para o Brexit, o Reino Unido poderá formalizar a execução do Artigo 50.° no primeiro dia do mês seguinte.

No acordo agora alcançado entre os "27", foi incluído um compromisso de que o atual acordo de saída do Reino Unido da UE não poderá ser renegociado.

Em Londres, o debate do dia passa pela marcação de novas eleições. O Partido Conservador, no Governo, sugere a data de 12 de dezembro. O Partido Nacionalista da Escócia e os Liberais Democratas sugeriram o dia 09 de dezembro.

Os Trabalhistas admitem ir a eleições, mas apenas se for garantido que o Brexit não se concretizará sem um acordo com a UE.

[Em atualização]

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.