EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Lubrizol: Detetados hidrocarbonetos no leite materno

Lubrizol: Detetados hidrocarbonetos no leite materno
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Detetadas três moléculas de hidrocarbonetos no leite de mulheres lactantes na altura do incêndio da fábrica de produtos químicos, Lubrizol, em Rouen.

PUBLICIDADE

Os efeitos sobre a saúde do fumo libertado do incêndio da fábrica de produtos químicos, Lubrizol, em Ruen, no norte de França, inquieta as autoridades de saúde e as populações, sobretudo depois de análises feitas a seguir ao incêndio terem revelado vestígios de hidrocarbonetos no leite de mulheres lactantes na altura do acidente.

Julie Lebourgeois foi uma das nove voluntárias para o teste: "O facto de ter vestígios de hidrocarbonetos - é o que dizem os resultados provisórios. É preciso esperar para ver - deixa-me furiosa, porque isso quer dizer que eu talvez tenha dado coisas negativas ao meu bebé".

Os resultados são ainda parciais, mas as primeiras análises revelam a presença, de etilbenzeno, tolueno e xileno, três moléculas de hidrocarbonetos. As análises terão ainda de ser comparadas com o leite materno antes do incêndio para confirmação, que a origem foi o incêndio.

O estado francês já anunciou que vai realizar testes e estudos nas populações que foram atingidas pela nuvem de fumo que se estendeu por 215 comuns, ao longo de 22 quilómetros.

Foi na madrugada de 26 de setembro, que um grande incêndio deflagrou na fábrica em Rouen, propriedade da Lubrizol, uma empresa que fábrica produtos químicos industriais e é uma subsidiária da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett. Mais de 5.250 toneladas de produtos químicos, petróleo e aditivos de combustível queimaram,

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campos Elísios transformam-se numa enorme mesa de piquenique

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago