EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Os 30 anos da Revolução de Veludo

Os 30 anos da Revolução de Veludo
Direitos de autor 
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Revolução de Veludo aconteceu há 30 anos. A repressão de um protesto estudantil a 17 de novembro de 1989, em Praga, desencadeou uma série de manifestações populares. Os cidadãos pediam ao regime comunista, entre outras coisas, eleições livres e que deixasse participar outras forças políticas.

PUBLICIDADE

A Revolução de Veludo aconteceu há 30 anos. A repressão de um protesto estudantil a 17 de novembro de 1989, em Praga, desencadeou uma série de manifestações populares. Os cidadãos pediam ao regime comunista, entre outras coisas, eleições livres e que deixasse participar outras forças políticas.

Com o colapso de outros governos comunistas e a intensificação dos protestos de rua, o Partido Comunista da Checoslováquia acabou por render-se.

A 29 de dezembro de 1989, o escritor Václav Havel, um dos líderes da revolução tornou-se presidente da Checoslováquia, que viria a dividir-se de forma pacífica em 1993 em dois Estados: República Checa e Eslováquia.

30 anos depois, os dois países são veteranos da União Europeia. Maros Sefcovic tem sido uma figura importante da União. "O muro de Berlim não caiu e a cortina de ferro não se levantou por si mesmos. Foram removidos pelo forte desejo das pessoas. No nosso caso, checoslovacos, queríamos viver numa sociedade livre. Queríamos juntar-nos aos nossos parceiros da Europa Ocidental, que queriam viver numa Europa unida, livre e próspera. Este foi um fator decisivo para o sucesso da Revolução de Veludo", sublinhou Sefcovic.

Atualmente o que alimenta os protestos nos dois países não é o comunismo, mas o populismo.

No ano passado, houve grandes manifestações na Eslováquia, depois da morte do jornalista Jan Kuciak... e o primeiro-ministro acabou por renunciar.

Na República Checa, o presidente Milos Zeman e o primeiro-ministro Andrej Babis são vistos por muitos como nacionalistas promotores de agendas iliberais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A proliferação de notícias falsas na Eslováquia serve de aviso à UE

Geórgia numa encruzilhada à medida que lei da influência estrangeira aprofunda divisões

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência