Dados não oficiais apontam para 2ª volta nas presidenciais

Dados não oficiais apontam para 2ª volta nas presidenciais
De  Nara Madeira com AP, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tudo aponta para uma 2ª volta nas presidenciais na Guiné-Bissau. Dados não oficiais dão a vitória ao líder do PAIGC mas com um regresso às urnas em dezembro.

PUBLICIDADE

Mais um escrutínio sem incidentes de maior na Guiné-Bissau, dizem-no observadores internacionais, e confirma-o a Comissão Nacional de Eleições.

O país foi a votos, este domingo. Mais de 760 mil eleitores foram chamados às urnas para escolher o novo presidente, entre 12 candidatos.

Dados não oficiais apontam para uma segunda volta e para a vitória, nesta primeira, do presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira mas sem os votos necessário para evitar nova ronda. Dados não oficiais já que os resultados provisórios ainda não foram anunciados pelos órgãos competentes, sê-lo-ão até à próxima quarta-feira.

Sem grandes incidentes mas não livres de polémica. Em conferência de imprensa a Diretoria Nacional de Campanha do atual presidente, José Mário Vaz, acusava a Comissão Regional de Eleições de Bafatá de violar os procedimentos relativos ao voto antecipado. Acusações refutadas pela Comissão Nacional de Eleições que garante que elas são infundadas e demonstram desconhecimento da lei em relação a este tipo de voto.

A segunda volta, a confirmarem-se os resultados não oficiais, promete trazer novos desafios. Os candidatos que continuarem na corrida tentarão conquistar o eleitorado daqueles que foram derrotados. Domingos Simões Pereira conseguirá reunir alguns apoios mas, ao mesmo tempo, verá forças da oposição a unirem esforços contra a sua eleição.

A segunda volta das Presidenciais na Guiné-Bissau está agendada para 29 de dezembro.

Editor de vídeo • Nara Madeira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Domingo de Presidenciais no meio de muita tensão no país

Comunidade guineense em Cabo Verde sonha em ter casa própria

Crianças guineenses retiradas das ruas de Dacar