Última hora

Comissão Von der Leyen aprovada no Parlamento Europeu

Comissão Von der Leyen aprovada no Parlamento Europeu
Direitos de autor
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento Europeu deu luz verde à nova Comissão da alemã Ursula von der Leyen. A maioria dos eurodeputados em Estrasburgo aceitou a nova proposta de equipa para o executivo comunitário.

A presidente-eleita destacou a portuguesa Elisa Ferreira como a "melhor pessoa" para liderar a pasta da Coesão e Reformas, num executivo que irá garantir um coletivo dedicado ao interesse comum.

"Cada membro da minha equipa irá trazer a respetiva experiência e perspetiva pessoais sobre a Europa. Vão gerir as próprias políticas e prioridades, mas todos juntos vamos ser uma só equipa a trabalhar para o interesse comum europeu. Vamos ser uma equipa a trabalhar com esta casa e com os Estados-membros para enfrentar os desafios da nossa geração", afirmou Von der Leyen.

A comissão Von der Leyen deveria ter iniciado o mandato a 01 de novembro. A rejeição dos nomes propostos por França, Hungria e Roménia atrasou o processo que agora fica resolvido.

Ursula von der Leyen tem 61 anos, é militante da União Democrática Cristã (CDU, centro-direita) e antiga ministra da Defesa da Alemanha, no executivo de Angela Merkel.

A sucessora do luxemburguês Jean-Claude Juncker divide opiniões na Alemanha, onde se revelou como uma voz das mulheres e da família, mas foi criticada pela alegada falta de experiência para liderar a Defesa do país, num cargo que ocupava desde 2013.

No discurso de apresentação do programa de mandato enquanto primeira mulher a liderar a Comissão Europeia, Von der Leyen sublinhou o equilíbrio de género "pela primeira vez" nos gabinetes de cada um dos titulares de pastas europeias.

"Isto vai mudar a face da Comissão Europeia", prometeu a presidente-eleita.

Através das redes sociais, o primeiro-ministro português mostrou-se satisfeito com a ratificação da Comissão. António Costa diz esperar desenvolver em "estreita coordenação" uma "agenda progressista" para a União Europeia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.