Última hora
This content is not available in your region

Vídeo mostra suposto impacto de míssil no Boeing ucraniano

Vídeo mostra suposto impacto de míssil no Boeing ucraniano
Direitos de autor
Captura de ecrã
Tamanho do texto Aa Aa

Um vídeo obtido pelo New York Times e pela NBC mostra uma explosão em pleno voo que os serviços secretos do Canadá e dos Estados Unidos acreditam ser o momento em que o Boeing 737 da Ukrainian International Airlines foi atingido por um míssil iraniano.

É uma versão que continua a ser desmentida pelo Irão. Diz Ali Abedzadeh, chefe da Autoridade Iraniana para a Aviação Civil: "O avião não foi atingido por nenhum míssil. Como disse antes, o avião estava a arder há mais de um minuto e o piloto tentou voltar ao aeroporto".

As autoridades iranianas anunciaram que uma equipa do Canadá está a caminho para participar nas peritagens e também convidou equipas da Ucrânia e da Boeing. Um vídeo da televisão iraniana mostra um homem a abrir um pacote que tem dentro o que dizem ser a caixa negra do avião, que para já os iranianos não querem entregar.

No entanto, é possível que a caixa negra seja entregue a outro país, como explica Ali Abedzadeh: "Em condições normais, vamos poder ler os dados da caixa negra. Se, por alguma razão, a caixa estiver danificada e não pudermos ler os dados, pedimos ajuda a outros países, como é comum fazer-se e como acontece em qualquer lugar".

No Canadá, país de onde é originária uma grande parte das vítimas, o primeiro-ministro Justin Trudeau acredita na teoria do míssil iraniano: "Temos informação de múltiplas fontes, inclusive dos nossos aliados e dos nossos serviços secretos. As provas mostram que o avião foi abatido por um míssil iraniano. Isso pode ter acontecido por acidente", disse.

O avião despenhou-se na quarta-feira, perto de Teerão, pouco depois de mísseis iranianos terem atingido bases no Iraque onde estão estacionadas tropas norte-americanas, em retaliação pela morte do general Qassem Soleimani.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.