Última hora
This content is not available in your region

Irão ataca bases de tropas americanas no Iraque

Irão ataca bases de tropas americanas no Iraque
Direitos de autor
Ataque iraniano contra tropas dos EUA
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão lançou um ataque com mísseis balísticos contra duas bases no Iraque onde estão estacionadas tropas norte-americanas. Cumpriu assim a promessa de retaliar pelo assassínio do general Qassem Soleimani, uma das mais importantes figuras militares do Irão, morto no Iraque por um ataque norte-americano. É um episódio que representa um novo patamar no escalar de tensão entre a República Islâmica e os Estados Unidos.

A base de Al-Asad, a norte de Bagdad, foi atingida com pelo menos 13 mísseis, segundo confirmaram tanto fontes oficiais do Irão como dos Estados Unidos. Os norte-americanos confirmaram também um ataque, com vários mísseis, contra a base de Erbil, no Curdistão Iraquiano. O Pentágono diz que, em ambos os casos, os mísseis foram disparados do Irão.

Através do Twitter, o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Javad Zarif, descreveu o ataque como uma "resposta proporcional" e diz que "o Irão não está à procura de uma escalada no conflito".

Donald Trump interveio também via Twitter, dizendo que está tudo bem, nas palavras do próprio e que o balanço de eventuais baixas estava a ser feito. Para esta manhã nos Estados Unidos, tarde na Europa, marcou uma comunicação, em que se preveem novas ameaças ao Irão.

A base de Al-Asad abriga tropas dos Estados Unidos, mas também da Noruega. Um fonte militar norueguesa confirmou não haver baixas entre as tropas do país... mas o balanço geral é incerto. Não há, por enquanto, números de eventuais vítimas mortais ou feridos.

No comunicado, o Irão diz que dá esta operação por completa, mas ameaça com novos ataques, caso os Estados Unidos decidam ripostar.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.