Última hora
This content is not available in your region

Chineses queixam-se de discriminação por causa do coronavírus

euronews_icons_loading
Chineses queixam-se de discriminação por causa do coronavírus
Direitos de autor
Twitter
Tamanho do texto Aa Aa

A expansão do coronavírus colocou o mundo em alerta. Com mais de 250 mortos e cerca de 12.000 infetados, o vírus foi já decretado uma emergência de saúde pública. Mas os cidadãos chineses enfrentam outra ameaça além do risco de contágio: o preconceito.

Em França e Itália já se registaram episódios de xenofobia. Para Marco Wong, presidente de uma associação de imigrantes de segunda geração em Itália, a 'Associna', o coronavírus trouxe também sinais de racismo.

"Sim, o racismo existe. Agora aparece com o álibi do coronavírus. Temos registado muitos incidentes em várias cidades italianas", afirmou, acrescentando: "O crescimento que a China teve acrescenta à discriminação um elemento económico: por vezes surge uma espécie de inveja".

De clientes a recusarem ser atendidos por empregados asiáticos à proibição de um bar em Roma à entrada de cidadãos chineses, há já vários casos de discriminação a serem denunciados nas redes sociais.

Outra das consequências à vista com o coronavírus será uma quebra no turismo. Vários países já impuseram restrições na circulação aérea para a China, tendo em conta que foram até agora detetados casos em 24 países.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.