Última hora
This content is not available in your region

100 dias da comissão europeia - alargamento parado

euronews_icons_loading
Belgium EU Western Balkans
Belgium EU Western Balkans   -   Direitos de autor  AP Photo/Virginia Mayo
Tamanho do texto Aa Aa

Albânia e Macedónia do Norte estiveram quase a iniciar a fase de negociações técnicas oficiais para entrar na União Europeia, mas três atuais Estados-membros bloquearam o processo, em outubro de 2019.

França, Paises Baixos e Dinamarca exigiram que a Comissão Europeia apresentasse um método renovado de avaliação do cumprimento dos critérios de adesão, o que foi feito no mês passado.

Mas ainda é incerto que esses países dêem luz verde na próxima cimeira que vai debater o tema.

"Estamos a trabalhar para viabilizar as negociações de adesão. O novo método foi o primeiro passo e temos muito trabalho pela frente. Mas foi um passo importante para dinamizar o processo. Gostaríamos de convencer a todos de que este processo é positivo, que a Europa precisa dele e que temos que fazer isso juntos", explicou Olivér Várhelyi, comissário europeu para o Alargamento quando apresentou o novo método.

Oficialmente existem cinco candidatos:

  • Sérvia e Montenegro, que pretendem terminar as negociações até 2025
  • O processo com a Turquia foi congelado devido à deriva autoritária do presidente Recep Tayyip Erdoğan.
  • A Albânia e a Macedônia do Norte tem os dossiês mais avançados, mas os critérios estão agora mais apertados em matéria de respeito pelo Estado de direito e valores democráticos.

Decisão nas mãos do "governo de Paris"

Contudo, a "bola" parece estar menos no campo do executivo liderado por Ursula von der Leyen do que no do Conselho Europeu, que reúne os chefes de Estado e de governo da União Europeia.

"Penso a grande questão não é tanto o que fará a Comissão Europeia mas o que farão os líderes da União quando se reunirem na cimeira de março. Sabemos que existe um grande apoio ao início das negociações de adesão com a Albânia e a Macedónia do Norte, que é apenas bloqueado por três países", disse Kati Piri, eurodeputada holandesa do centro-esquerda.

"A grande questão é saber se fizemos o suficiente, nas últimas semanas, para convencer esses três governos de que estes países não vão entrar de imediato na União. Apenas vai começar um diálogo de muitos anos com a Albânia e a Macedónia do Norte. Não creio que isso esteja nas mãos da Comissão, mas mais do que vai decidir o governo de Paris", acrescentou.

O tema foi colocado na agenda da cimeira de 26 e 27 de março, em Bruxelas. A presidência rotativa da União Europeia, detida pela Croácia, programou outra cimeira especial dedicada aos países da região dos Balcãs Ocidentais, em maio, em Zagreb (capital croata). O último país a entrar na União foi, precisamente, a Croácia, em 2013.