Última hora
This content is not available in your region

Itália ultrapassa China em número de mortos

euronews_icons_loading
Virus Outbreak Italy
Virus Outbreak Italy   -   Direitos de autor  Claudio Furlan/LaPresse
Tamanho do texto Aa Aa

Os hospitais italianos continuam a trabalhar muito acima da capacidade, apesar dos equipamentos novos que têm chegado. A situação é desesperante para os médicos, sem mãos a medir, com as camas das unidades de cuidados intensivos completamente ocupadas na maioria das unidades. Apesar do confinamento obrigatório e outras medidas, os números crescem, com dois tristes recordes: o de maior número de mortes num só dia e o de país com mais vítimas mortais, ultrapassando a China, ao registar mais de 3400 mortos.

Convidado a visitar Itália para aferir a situação, o presidente da Cruz Vermelha Chinesa, Sun Shuopeng, pede medidas ainda mais rígidas: "A política de confinamento não está a ser bem aplicada, porque os transportes públicos continuam a funcionar, as pessoas passeiam, há festas e jantares nos hotéis e as pessoas não usam máscaras", disse.

Apesar destas críticas, o cenário é indesmentível: Os principais centros urbanos de Itália transformaram-se em cidades-fantasma. Os locais mais simbólicos de Roma, habitualmente pejados de turistas, estão desertos como nunca se viu. Tem sido este o panorama todos os dias, com os italianos confinados em casa há uma semana. O primeiro-ministro Giuseppe Conte já confirmou que as medidas serão prolongadas para lá do dia 3 de abril, data inicialmente prevista para terminarem.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.