Última hora
This content is not available in your region

Violência doméstica em tempo de confinamento preocupa

euronews_icons_loading
Violência doméstica em tempo de confinamento preocupa
Direitos de autor  photo from video grab
Tamanho do texto Aa Aa

Por esse mundo fora as ruas estão desertas para tentar travar a ameaça do covid-19 mas dentro de portas, há outra ameaça à espreita. O confinamento é um verdadeiro pesadelo para as vítimas de violência doméstica, obrigadas a ficar fechadas em casa com o agressor. A pouca informação disponível aponta para um cenário preocupante.

Itália e Espanha são dois dos países mais atingidos pela pandemia e ambos têm já casos conhecidos de mortes por violência doméstica durante o confinamento.

Foi o caso de Lorena Quaranta, italiana de 27 anos que estava prestes a tornar-se médica e que foi estrangulada em casa pelo namorado no início do mês.

Em França, os incidentes de violência doméstica cresceram 30% durante os primeiros dias de confinamento. O maior aumento foi registado em Paris e as autoridades estão preocupadas.

Vários governos mobilizaram-se para responder a esta ameaça crescente. Em França, as farmácias tornaram-se num ponto de encontro. Foi criada a expressão de código "máscara 2019" para as vítimas poderem pedir ajuda. Quem não conseguir sair de casa tem um serviço de SMS à disposição para o fazer discretamente.

Apesar da iniciativa ter sido divulgada também em Portugal através das redes sociais, é importante esclarecer que não se encontra em vigor.

Ainda assim, o governo de António Costa reforçou as medidas de apoio às vítimas, aumentando o número de estruturas temporárias de acolhimento de emergência. As linhas telefónicas de apoio também continuam em funcionamento.

Apesar das várias medidas governamentais um pouco por toda a Europa, para os grupos de apoio às vítimas, é preciso fazer mais. Para Caroline de Haas, da Associação Nous Toutes, a medida mais eficaz seria "a contratação urgente de pessoas com formação para acolher vítimas de violência doméstica e o reforço das forças policiais nesse campo. São elas a primeira linha de combate, as primeiras a serem chamadas, mas não são suficientes nem têm formação adequada".

Caroline de Haas aponta ainda o exemplo da Dinamarca, onde as vítimas de violência doméstica têm à disposição quartos de hotel pagos para se refugiarem. Um pequeno passo num caminho que ainda é demasiado longo.