Última hora
This content is not available in your region

Autoridades temem aumento no vício do jogo

euronews_icons_loading
Internet Gambling
Internet Gambling   -   Direitos de autor  Wayne Parry/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Quando sair à rua é um luxo e milhões de pessoas se veem obrigadas a passar os dias fechadas entre quatro paredes, não é de espantar que se procurem novas formas de passar o tempo. As autoridades receiam que estejam criadas as situações ideais para um aumento no vício do jogo, uma situação agravada pelo crescente investimento que as empresas de jogos de azar têm efetuado na publicidade online.

Carolyn Harris, Deputada na Câmara dos Comuns no Reino Unido e refere que "há mais pessoas a jogar na internet, algumas por aborrecimento, outras porque têm um problema com o jogo e sentem necessidade de o fazer. São levadas a isso pela publicidade e não conseguem resistir à tentação."

Uma pessoa que pode falar sobre essa tentação é Alex Macey, que já esteve viciado no jogo e agora trabalha para evitar que outras pessoas cometam os mesmos erros.

Não tem dúvidas quando afirma que jogaria muito mais se tivesse de enfrentar as circunstâncias atuais quando tinha um problema com o jogo.

Alex Macey revela que tem sido contactado por várias pessoas confinadas e que têm receio de ficar viciadas. Pele o problema é que agora se passa muito mais tempo nas redes sociais, onde há sempre anúncios a surgir, e basta clicar num deles para cair numa espiral que leva ao esvaziamento da conta bancária, um risco muito maior nos dias que correm.

Para combater o problema, o governo do Reino Unido lançou um inquérito para avaliar o panorama geral, apontando também o dedo às empresas do setor, acusadas de reforçar a oferta nos jogos de azar para compensar as perdas causadas pela ausência forçada de apostas desportivas.