Última hora
This content is not available in your region

Covid-19 fez mais de 250.000 mortos em todo o mundo

euronews_icons_loading
Covid-19 fez mais de 250.000 mortos em todo o mundo
Direitos de autor  Luca Bruno/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A Covid-19 já fez mais de 250.000 vítimas mortais em todo o mundo. Na Itália, país europeu mais afetado, o balanço de mortes ultrapassa as 29.000. Um número que estará ainda largamente subestimado, segundo o próprio Instituto Nacional de Estatísticas italiano, que afirma que milhares de mortos em consequência da pandemia ainda não foram contabilizados.

Ainda assim, a desaceleração do vírus levou o país a iniciar esta semana um desconfinamento gradual, com a reabertura nomeadamente de pequenos comércios e mercados.

França, onde o número de vítimas mortais ultrapassa as 25.000, prepara-se para começar a levantar restrições a partir do dia 11. Mas, num voto simbólico já que puramente consultativo, o Senado francês rejeitou o plano de desconfinamento gradual do governo, aprovado na semana passada no Parlamento.

Antes do voto, o presidente Emmanuel Macron tinha efetuado uma nova alocução para defender o projeto:

"Vamos votar esta semana. De momento estamos a organizar as coisas a nível local. Esta quinta-feira anunciaremos todos os detalhes. Vamos preparar-nos e fazer tudo como deve ser, em todo o território."

No Reino Unido, que poderá em breve ultrapassar o balanço nefasto da Itália, a Ilha de Wight serve, a partir de hoje, como zona de teste para uma nova aplicação de "smartphone" destinada a assinalar potenciais contaminações e notificar a rede de contactos com os eventuais contaminados.

Mas nem todos estão convencidos da eficácia do dispositivo proposto pelo Serviço Nacional de Saúde.

O balanço mundial das vítimas mortais da Covid-19, avançado pela Universidade John Hopkins nos Estados Unidos, deverá continuar a subir, à medida que cada país for, à semelhança de Itália, integrando um grande número de casos ainda não contabilizados. E, se a pandemia está em franca desaceleração na Europa, há ainda muitos pontos do planeta onde apresenta uma rápida ascensão.