Covid-19 fez mais de 250.000 mortos em todo o mundo

Covid-19 fez mais de 250.000 mortos em todo o mundo
Direitos de autor Luca Bruno/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Países europeus avançam com planos de desconfinamento gradual

PUBLICIDADE

A Covid-19 já fez mais de 250.000 vítimas mortais em todo o mundo. Na Itália, país europeu mais afetado, o balanço de mortes ultrapassa as 29.000. Um número que estará ainda largamente subestimado, segundo o próprio Instituto Nacional de Estatísticas italiano, que afirma que milhares de mortos em consequência da pandemia ainda não foram contabilizados.

Ainda assim, a desaceleração do vírus levou o país a iniciar esta semana um desconfinamento gradual, com a reabertura nomeadamente de pequenos comércios e mercados.

França, onde o número de vítimas mortais ultrapassa as 25.000, prepara-se para começar a levantar restrições a partir do dia 11. Mas, num voto simbólico já que puramente consultativo, o Senado francês rejeitou o plano de desconfinamento gradual do governo, aprovado na semana passada no Parlamento.

Antes do voto, o presidente Emmanuel Macron tinha efetuado uma nova alocução para defender o projeto:

"Vamos votar esta semana. De momento estamos a organizar as coisas a nível local. Esta quinta-feira anunciaremos todos os detalhes. Vamos preparar-nos e fazer tudo como deve ser, em todo o território."

No Reino Unido, que poderá em breve ultrapassar o balanço nefasto da Itália, a Ilha de Wight serve, a partir de hoje, como zona de teste para uma nova aplicação de "smartphone" destinada a assinalar potenciais contaminações e notificar a rede de contactos com os eventuais contaminados.

Mas nem todos estão convencidos da eficácia do dispositivo proposto pelo Serviço Nacional de Saúde.

O balanço mundial das vítimas mortais da Covid-19, avançado pela Universidade John Hopkins nos Estados Unidos, deverá continuar a subir, à medida que cada país for, à semelhança de Itália, integrando um grande número de casos ainda não contabilizados. E, se a pandemia está em franca desaceleração na Europa, há ainda muitos pontos do planeta onde apresenta uma rápida ascensão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rei Carlos III recebe as novas notas com o seu retrato

Cerimónia histórica: guardas britânicos no Eliseu e franceses no Palácio de Buckingham

Costa de Marselha invadida por pequenos organismos nauseabundos