Última hora
This content is not available in your region

Moinho com mil anos volta à produção no Reino Unido

euronews_icons_loading
Moinho com mil anos volta à produção no Reino Unido
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Dar voltas à roda para iniciar um antigo moinho é algo que faz parte das primeiras memórias de Pete Loosmoore. Nunca imaginou que seria necessário reiniciar a produção, para dar resposta à pandemia.

As lojas locais recorreram a nós dizendo que gostariam imenso que voltássemos a produzir farinha. Não havia outros locais por perto onde pudessem abastecer. Creio que há um sentimento de orgulho. Não um orgulho pessoal, mas por poder ser uma das pessoas que mantém este antigo local em andamento.
PETE LOOSMOORE
Supervisor - Moinho Sturminster Newton

O moinho com mil anos que esteve operacional pela última vez em 1970. Transformou-se num museu - produzindo farinha ocasionalmente para turistas, mas agora está de volta ao mercado.

O setor da farinha do Reino Unido está a funcionar em plena capacidade produzindo 4 milhões de sacos de farinha por semana - mas ainda existe escassez. É por isso que este moinho histórico é muito útil nesta zona específica de Dorcet, na altura em que é mais necessário.
Luke Hanrahan
euronews

A assistente de Pete aprendeu - fazendo. Era voluntária no museu e agora é uma pessoa fundamental no processo de produção: "Cresci aqui. Por isso, sempre conheci o Moinho. Vivo a 300 metros daqui. Para mim, é particularmente bom estar de volta".

O moinho de Sturminster Newton estava em funcionamento durante a gripe pandémica de 1918 e passou pela praga. É um pedaço da história local que renasce. Produziu uma tonelada de farinha em duas semanas e deu o exemplo a outros moinhos históricos.

Dois outros moinhos telefonaram-me a perguntar o que estou a fazer exatamente, porque estão a pensar fazer o mesmo. Teremos mais um ou dois moinhos históricos, para ajudar à produção.
PETE LOOSMOORE
Supervisor - Moinho Sturminster Newton

A farinha ajudou padarias locais a manter o pão nas prateleiras. Pete é um guardião do passado prova que a história tem lugar no presente.