Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de segunda-feira, 18 de maio

Cafés em Roma voltaram hoje a receber clientes
Cafés em Roma voltaram hoje a receber clientes   -   Direitos de autor  Cecilia Fabiano /LaPresse via AP
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia já infetou mais de 4,7 milhões de pessoas em pelo menos 188 países, à data de hoje.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, este novo coronavírus estará ligado a mais de 316 mil mortos. Pelo menos 1,6 milhões de pessoas já recuperaram da doença provocada pelo SARS-CoV-2.

Resumo do dia:

  • Estados-membros da UE preparam abertura coordenada de fronteiras;
  • Reino Unido soma novo sintoma às suspeitas de Covid-19;
  • Surto de infeção em matadouro de França;
  • Itália e Espanha com mínimo de mais de dois meses no ritmo de mortes diárias;
  • Alemanha e França com novo plano de retoma para a UE.
Universidade Johns Hopkins
Atualizado às 20h01 de 18 de maio de 2020Universidade Johns Hopkins

Recorde aqui as notícias do dia pela hora central europeia (CET):

20h45 (CET) Portugal e mais 10 concordam em abertura coordenada de fronteiras

Ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Áustria, Bulgária, Chipre, Croácia, Espanha, Grécia, Itália, Malta, Portugal e Eslovénia reuniram-se hoje por videoconferência e concordaram numa "abordagem faseada e coordenada entre os Estados-membros para garantir a gradual normalização da circulação transfronteiriça".

"Acreditamos que restaurar a liberdade de movimentos transfronteiriços pode ser levado a cabo de forma progressiva, se as tendências positivas que se têm verificado continuarem a indicar a existência de situações epidemiológicas comparáveis em países de origem e países de destino. A reabertura da circulação entre fronteiras, incluindo a situação específica dos trabalhadores transfronteiriços carece de atenção particular", lê-se no comunicado.

Mais informação aqui_

20h30 (CET) Visitas em prisões e centros educativos retomadas em junho

Os reclusos e os jovens internados em centros educativos deverão recomeçar a receber as visitas de familiares durante o mês de junho, disse à Lusa o Ministério da Justiça.

O sindicato dos guardas prisionais mostrou-se hoje preocupado com a proteção dos profissionais quando forem retomadas as visitas dos familiares aos presos, suspensas devido à pandemia, e pediu esclarecimentos ao primeiro-ministro.

Refere o ministério que o regresso de visitantes aos estabelecimentos prisionais e aos centros educativos depende do cumprimento integral das orientações da saúde pública “no sentido de se continuar, como foi conseguido até ao momento, a proteger a população reclusa e os jovens internados em centros educativos do contágio” pelo novo coronavírus.

19h50 (CET) República Checa planeia facilitar a entrada no país em junho

A República Checa está a planear facilitar as viagens com diversos outros países europeus considerados seguros como a Áustria, Eslováquia ou Croácia. Quem viajar de países considerados de risco, como Espanha, França e Itália, tem de respeitar os requerimentos sanitários atualmente em curso.

Os checos que regressem ao país de um desses países têm de apresentar um teste negativo à chegada ou entrar de quarentena.

19h47 (CET) Reino Unido soma mais 160 mortes e 2.684 casos de infeção

O Reino Unido revelou hoje o registo de mais 160 mortes desde as 17 horas de domingo associadas à Covid-19, elevando o total de óbitos para os 34.796 no quadro da epidemia.

Os novos casos de infeção registados foram 2.684 e o total ultrapassou os 246 mil.

As autoridades de saúde britânicas juntaram mais um sintoma à lista dos que são associados à doença provocada pelo SARS-CoV-2, a perda de olfacto, mas garante que isso não terá contribuído para falhar o diagnóstico de mais 200 mil casos como foi sugerido.

19h45 (CET) Matadouro francês com 54 casos de Covid-19

Um matadouro de Fleury-les-Aubrais, Loiret, foi palco de um surto do novo coronavírus e 54 funcionários testaram positivo, mais vinte do que na véspera, após 79 novos testes realizados no domingo, anunciou hoje a Agência Regional de Saúde (ARS) do Centro-Val de Loire.

"No domingo, 17 de Maio, 60 pessoas que trabalham no matadouro Tradival e em empresas subcontratadas realizaram testes RT-PCR. Além deles, 19 pessoas apresentaram-se directamente no Centro Hospitalar Regional de Orleães. De todos os testes realizados, 20 são positivos, elevando o número total de pessoas com resultados positivos até à data para 54", escreveu a ARS, em comunicado.

19h35 (CET) Cuidados intensivos em França com menos 89 pacientes

França anunciou mais 131 mortes associadas à Covid-19 desde a atualização de domingo e já sofreu 28.239 óbitos no quadro da epidemia. A boa notícia, quando passa uma semana sobre a reabertura de escolas e creches, foi o aumento de 89 lugares nas unidades de cuidados intensivos, onde se mantêm ainda assim 1.998 pacientes em estado considerado grave, o primeiro dia com menos de 2.000 camas ocupadas nas UCI desde 22 de março.

No total, há ainda mais de 19 mil pessoas hospitalizadas, com 375 pacientes a serem admitidos nos hospitais desde domingo.

19h10 (CET) Presidente da Comissão Europeia agradece proposta franco-alemã

Ursuma von der Leyen congratulou-se "com a proposta construtiva apresentada pela França e pela Alemanha", considerando que a mesma "reconhece o âmbito e a dimensão do desafio económico que a Europa enfrenta e, acertadamente, coloca a tónica na necessidade de trabalhar numa solução centrada no orçamento europeu".

"Esta proposta vai na direção da proposta em que a Comissão está a trabalhar, que terá igualmente em conta os pontos de vista de todos os Estados-Membros e do Parlamento Europeu", referiu a presidnete da Comissão Europeia, destacando "três pilares" na estratégia comum europeia: as medidas imediatas tomadas para ajudar os Estados-membros; os 540 mil milhões de euros em empréstimos, incluindo o programa SURE; e o Quadro Financeiro Plurianual.

19h05 (CET) Turquia impõem confinamento no fim do Ramadão

O Presidente da Turquia, Tayyp Erdogan, anunciou um novo confinamento obrigatório de quatro dias a partir de sábado, 23 de maio, dia que marca o Eid al-Fitr, a celebração do fim do Ramadão. A medida tem por objetivo tentar evitar os ajuntamentos e um novo surto de Covid-19 no país.

19h00 (CET) Marrocos prolonga confinamento até 10 de junho

Marrocos vai prolongar até 10 de junho o estado de emergência sanitária e o confinamento para conter a propagação do novo coronavírus, anunciou o primeiro-ministro Saad-Eddine El Othmani.

Após 10 de junho, está já previsto um desconfinamento "progressivo" e tendo em conta "as diferenças de contaminação entre as regiões", acrescentou o chefe de Governo.

18h40 (CET) Itália anuncia menos de 100 mortes diárias

O número de mortes diárias em Itália caiu esta segunda-feira abaixo da centena, o que não acontecia desde 09 de março quando ocorreram 97 óbitos. Entre ontem e hoje foram 99.

Os novos contágios registados foram 451, elevando o total para 225.886 infeções desde a entrada do SARS-CoV-2 no país. Em pleno meses quatro regiões italianas, não houve registo de novos contágios.

Nos cuidados intensivos mantêm-se 749 doentes, menos 13 que no domingo. Hospitalizados com sintomas estão 10.207pessoas, menos 104 que na véspera, e em isolamento domiciliário há 55.597, menos 1.681 que no domingo.

18h30 (CET) Moçambique tem mais oito casos positivos

O Ministério da Saúde de Moçambique registou, nas últimas 24 horas, mais oito casos positivos e o total passou de 137 para 145, anunciou hoje a diretora nacional de Saúde Pública, Rosa Marlene.

"Dos oito casos registados, sete têm sintomatologia leve e um não tem sintomatologia. Todos estão em isolamento domiciliar", declarou Rosa Marlene, falando durante a conferência de imprensa de atualização de dados sobre a covid-19 no país.

18h20 (CET) Ex-ministro da Saúde do Brasil alerta contra uso de cloroquina

O ex-ministro da Saúde do Brasil Luiz Henrique Mandetta, demitido em abril passado, afirmou hoje que o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19 pode aumentar o número de mortes por arritmia cardíaca no país.

Em entrevista publicada pelo jornal Folha de São Paulo, Mandetta relatou que percebeu os riscos da substância quando médicos brasileiros começaram a testar a cloroquina em pacientes em estado grave que estão nos hospitais.

"Do que sei dos estudos que me informaram, e não concluíram, 33% dos pacientes que estavam em hospital, monitorizados com eletrocardiograma contínuo, tiveram que suspender a cloroquina porque deu arritmia que poderia levar a parada [cardíaca]. Esse número assustou, é alto", relatou Mandetta.

18h15 (CET) Macron e Merkel propõem plano de 500 mil milhões para a UE

Emmanuel Macron e Angela Merkel propuseram um plano de 500 mil milhões de euros para relançar a economia da União Europeia do impacto da pandemia através de um mecanismo inédito de mutualisação da dívida europeia.

O plano franco-alemão foi previsto para integrar o próximo orçamento plurianual da UE.

Mais informação aqui_

18h00 (CET) França e Alemanha defendem "uma Europa da saúde"

O Presidente de França, ao lado da chanceler da Alemanha, afirmou hoje que "a criação de uma Europa da saúde deve ser a prioirdade" dos "27", durante uma cobferência de imprensa sobre a resposta europeia à pandemia do novo coronavírus.

"A nossa vontade é dotar a Europa de competências muito concretas em matéria de saúde. Com armazenamento comum de máscaras e testes, uma capacidade de aquisição comum e coordenada para tratamentos e vacinas, planos de prevenção partilhados para epidemias e métodos comuns para registar casos. Esta Europa da saúde jamais existiu e deve tornar-se a nossa prioridad", defendeu Emmanuel Macron.

17h45 (CET) Espanha regista menor número diário de mortes desde há dois meses

Espanha registou 59 mortes associadas à Covid-19 em 24 horas, o número diário mais baixo dos últimos dois meses e o segundo dia consecutivo abaixo dos 100 óbitos.

De acordo com o Ministério da Saúde espanhol, o país contabilizou um total de 27.709 óbitos desde que a doença foi declarada.

Segundo os números divulgados, há 285 novos casos com da doença, elevando para 231.606 o total de infetados confirmados até hoje pelo teste PCR, o mais fiável na deteção do novo coronavírus.

Os dados diários indicam ainda que, nas últimas 24 horas, foram hospitalizados 172 doentes, num total de 125.233 pessoas que precisaram de ser internadas.

A partir de hoje, uma série de regiões espanholas passaram à “fase um” do desconfinamento em curso, iniciado há uma semana, que já inclui cerca de 70% da população.

17h40 (CET) Equipa de futebol do Flamengo de volta aos treinos

A equipa brasileira de futebol do Flamengo, orientada pelo português Jorge Jesus, voltou hoje ao trabalho, tendo realizado exames e avaliações físicas, depois de uma paragem de mais de dois meses devido à pandemia de covid-19, anunciou o clube.

Em comunicado, o clube do Rio de Janeiro garante que “todas as atividades estão a ser realizadas seguindo as medidas de higiene e distanciamento, como, por exemplo, higienização constante dos materiais desportivos e instalações, além da preparação de alimentos em ‘kits’ individuais”.

17h25 (CET) Guiné-Bissau ultrapassa um milhar de infeções

O número de infeções provocadas pela covid-19 na Guiné-Bissau aumentou hoje para 1.032 e o número de pessoas recuperadas subiu para 38, segundo o Centro de Operações de Emergência de Saúde (COES) guineense.

Na conferência de imprensa diária sobre a evolução da doença na Guiné-Bissau, o coordenador do COES, Dionísio Cumba, disse que nas últimas 24 horas foram analisadas 82 novas amostras, das quais 42 deram positivo para covid-19.

O número de vítimas mortais manteve-se nas quatro, enquanto o número de recuperados subiu para 38, segundo o médico guineense.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, a Guiné-Bissau lidera em número de infeções (1.032 casos e quatro mortos), seguindo-se a Guiné Equatorial (522 casos e seis mortos), Cabo Verde (328 casos e três mortes), São Tomé e Príncipe (240 casos e sete mortos), Moçambique (137 casos) e Angola (48 infetados e dois mortos).

O país lusófono mais afetado pela pandemia é o Brasil, com mais de 16.100 mortes e mais de 241 mil infeções.

17h10 (CET) Tribunal de Paris proíbe polícia de usar drones

Um tribunal de Paris decidiu a favor de dois grupos de defesa dos direitos humanos e proibiu a polícia de controlar os cidadãos com recurso a drones. Os aparelhos voadores estavam a ser usados para monitorizar o respeito pelas regras de distanciamento social ainda em vigor no país e em especial em algumas regiões mais afetadas pela epidemia.

Os ativistas alegam que o uso de drones representa uma ameaça à privacidade dos cidadãos. O advogado Patrick Spinosi, em declarações à France Press, disse esperar que a decisão seja aplicada em todo a França e não só em Paris.

17h00 (CET) Tripulantes de coompanhia aérea do Qatar com fatos protetores

As equipas de tripulantes da Qatar Airways vão passar a usar fatos de proteção contra o novo coronavírus e os passageiros são obrigados a usar máscaras faciais a bordo dos aviões.

Os tripulantes já usavam máscaras faciais e luvas, mas vão passar a envergar também um fato protetor sobre os uniformes.

Em comunicado, a companhia aérea adiantou que a interação entre tipulantes e passageiros também vai reduzir-se.

16h40 (CET) Presidente de Portugal apela a fazer-se turismo nacional

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou a abertura da segunda fase de desconfinamento coincidir com o Dia Internacional dos Museus e deslocou-se à Torre de Belém, em Lisboa, onde deixou um apelo.

“Vim aqui para convidar os portugueses a conhecerem o património do nosso país que os estrangeiros conhecem e nós, ou não conhecemos, ou não os visitamos há muitos anos”, disse Marcelo Rebelo de Sousa no final da visita.

O Presidente apelou a ques e faça "turismo em Portugal com crianças e jovens".

16h00 (CET) Suécia sofreu em abril o mês mais mortífero desde 1993

A Suécia sofreu mais mortes em abril deste ano do que em qualquer outro mês desde o final de 1993, revelou hoje o gabinete de estatísticas daquele país nórdico.

O governo sueco implementou medidas de contenção da epidemia mais leves que a larga maioria dos parceiros europeus e acabou por registar uma taxa de mortalidade maior que os vizinhos escandinavos. Desde o registo da primeira morte em março, a Suécia já sofreu cerca de 3.700 óbitos no quadro da Covid-19.

Só em abril, a Suécia sofreu 10.458 mortes e é preciso recuar até dezembro de 1993 (11.057) para se encontrar um mês mais mortífero. Na relação de óbitos com o número de habitantes, os anos de 1993 e 2000 tiveram taxas mais graves devido a surtos de gripe sazonal. Em Janeiro de 2000, por exemplo, morreram 110,8 pessoas por 100 mil habitantes contra os 101,1 de abril deste ano.

Em 1993, 97.008 pessoas morreram na Suécia, naquele aue foi o ano mais mortífero desde o surto da chamada "grip espanhola" em 1918.

15h55 (CET) Liga inglesa autoriza treinos de grupo em número limitado

A Liga inglesa de clubes autoriza os clubes, a partir de terça-feira, a começaram a realizar treinos de grupo, com um número limitado de jogadores em cada grupo.

A decisão foi unânime entre os accionistas da "Premier" após consultas junto de jogadores, treinadores, médicos, especialistas independentes e o Governo britânico.

O retomar dos treinos de grupo será controlado por "apertados protocolos médicos do mais alto nível", lê-se no comunicado da Liga inglesa de clubes.

O campeonato inglês tem o regresso previsto para 12 ou para 19 de junho, conforme a evolução da situação epidemiológica no Reino Unido.

15h45 (CET) FIFA promete jogo para angariar fundos para o combate à pandemia

A FIFA pretende reforçar a ajuda no combate à pandemia da covid-19 e para isso vai arrecadar fundos através da organização de um jogo de futebol que será realizado “assim que a saúde o permitir”.

“Estamos comprometidos em organizar um evento global para arrecadar fundos assim que a situação da saúde o permitir, mesmo que ainda tenhamos que esperar alguns meses”, disse o presidente, Gianni Infantino, em comunicado.

15h30 (CET) Violência doméstica em Marselha agravou-se na epidemia

Uma reportagem da France Press revela que a violência doméstica em Marselha aumentou consideravelmente com o confinamento imposto a 16 de março para conter a epidemia.

A maior parte das intervenções das autoridades da divisão central marselhesa fiou a dever-se a atos de violência entre casais, causa também da maioria de prisões preventivas.

Entre os casos investigados, houve "muitas primeiras vezes" neste tipo de violência, revelou a polícia, garantindo não ter havido muitas reincidências.

15h20 (CET) Dezenas de escolas em França tivera de fechar após reabertura

Mais de 40 mil escolas reabriram na semana passada após o período de confinamento imposto em França em meados de março para conter a epidemia, mas pelo menos 70 tiveram de voltar a fechar devido a suspeitas de casos de Covid-19, revelou o ministro da Educação de França, Jean-Michel Blanquer.

Em Portugal, algumas escolas secundárias e creches reabriram hoje.

15h15 (CET) SARS-CoV-2 já circulava na China em outubro, revela estudo

O novo coronavírus já circulava silenciosamente em Wuhan, no centro da China, em outubro passado, e alastrou-se "aleatoriamente e sem mostrar sinais epidémicos", de acordo com os resultados de um estudo publicado pela revista Frontiers in Medicine.

O estudo conclui que, embora o surto tenha sido oficialmente anunciado em dezembro de 2019, depois de dezenas de casos de infeção ligados a um mercado terem sido diagnosticados em Wuhan, análises da filogenética indicam que o coronavírus estava em dormência desde outubro naquela cidade na província chinesa de Hubei.

"Nesta fase de latência, a infeção seguiu o seu curso silencioso", afirmou a equipa de investigadores, formada por Jordi Serra-Cobo e Marc López, da Faculdade de Biologia e do Instituto de Pesquisa em Biodiversidade da Universidade de Barcelona, Roger Frutos, do Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronómica para o Desenvolvimento, de França, e Christian A. Devaux, do Centro Nacional de Pesquisa Científica.

15h05 (CET) Diretor-geral da OMS promete "transparência" na gestão da pandemia

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde promete uma oportuna avaliação independente à gestão da pandemia pelo organismo, como pediu a União Europeia.

"Todos temos lições a aprender desta pandemia. Todos os países e todas as organizações devem examinar a respetiva resposta e aprender com a experiência. A OMS está comprometida à transparência, responsabilidade e melhoria contínua", admitiu Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertando que o "risco mantém-se elevado" e que ainda "há um longo caminho a percorrer" nesta luta contra o vírus que já infetou 20% da população em alguns países.

14h40 (CET) "Situação difícil" em república russa

O Presidente da Rússia admitiu haver uma situação difícil na república russa do Daguestão dias depois de um responsável local ter revelado a centenas de pessoas morreram na região com suspeita de ligação à Covid-19.

"A situação no Daguestão é difícil. É preciso tomar medidas de emergência suplementares", afirmou Vladimir Putin, numa videoconferência com responsáveis locais e da federais.

O Daguestão, território de escassos recursos no Cáucaso russo, tem menos de três milhões de habitantes e conta, de acordo com dados oficiais, com 3.460 casos de infeção e 29 mortos no quadro da epidemia. O ministro da Saúde local revelou no sábado que a situação real é mais grave com mais de 650 mortos e 12.600 doentes com pneumonia com o novo coronavírus confirmado ou suspeito de estar presente.

Mais informação aqui_

14h35 (CET) Hungria e Eslovénia preparam abertura da fronteira a 01 de junho

Hungria e Eslovénia começaram a preparar o plano para reabrir a fronteira que separa ambos os países e permitir às duas economias apoiarem-se no retomar da atividade após terem controlado a epidemia de Covid-19 nos respetivos países.

A aproximação foi revelada no Facebook do ministro húngaro dos negócios estrangeiros, Péter Szijjártó.

Az imént beszéltem Zdravko Počivalšek szlovén gazdasági miniszterrel, akivel kölcsönös elismerésünket fejeztük ki...

Publiée par Szijjártó Péter sur Lundi 18 mai 2020

14h30 (CET) Maioria dos alunos de regresso e alguns professores com falta

Cerca de 80% dos alunos do ensino secundário regressaram hoje às escolas em Portugal, segundo a Associação Nacional de Dirigentes Escolares, que lembra que também faltam alguns professores neste recomeço das aulas presenciais em época de pandemia.

14h20 (CET) Escócia encerra Liga de futebol e declara Celtic campeão

A temporada 2019/20 da liga escocesa de futebol foi dada como finalizada, devido à pandemia da covid-19, e o título de campeão foi entregue ao Celtic, anunciou hoje a organização da prova (SPFL).

Em comunicado, o organismo explicou que a decisão foi tomada de “forma unânime” pelos 12 clubes do primeiro escalão e que a classificação final ficou definida pelos pontos que as equipas tinham até 13 de março, data em que a competição foi suspensa, por causa do surto do novo coronavírus.

O Hearts, que esta temporada contou com o guarda-redes português Joel Pereira, emprestado pelo Manchester United, foi despromovido à segunda divisão

14h10 (CET) China promete ajuda de dois mil milhões de dólares

A China prometeu conceder ajuda financeira aos países mais necessitados, numa videoassembleia de membros da Organização Mundial de Saúde. O governo do país de origem do SARS-CoV-2 pretende disponibilizar um pacote de dois milhões de dólares (1,84 mil milhões de euros) ao longo de dois anos para combater a pandemia e pediu aos parceiros apoio para uma moratória na dívida externa dos países mais pobres.

Na mesma assembleia da OMS, a União Europeia e outros países pediram uma investigação independente à resposta do organismo da ONU ao surto de Covid-19 para avaliar a experiência e as lições aprendidas.

14h05 (CET) Marisco e água do mar sem sinais do SARS-CoV-2 em França

O Instituto Francês de Pesquisa para a Exploração do Mar (Ifremer) analisou amostras de água do mar da costa francesa e alguns exemplares de frutos do mar, nomeadamente bivalves, que são dos mais sensíveis, e não encontrou quaisquer sinais do novo coronavírus como os descobertos em amostras de águas residuais de diversos países.

14h00 (CET) Angola adia Feira Internacional de Tecnologias Ambientais

A 7.ª Edição da Feira Internacional de Tecnologias Ambientais, “Ambiente Angola 2020”, que estava prevista para 5 a 8 de junho em Luanda, foi adiada para 2021 devido à covid-19, anunciou hoje o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente (MINCULTA).

O evento iria decorrer, na Baía de Luanda, sob o lema “Promover a Economia Circular em Todos os Setores da Vida Nacional”, numa parceria com a Eventos Arena. A nova data poderá ser 31 de janeiro de 2021.

Angola tem 48 casos da covid-19 e dois mortos.

13h55 (CET) França mantém impostos e adia pagamento da dívida gerada

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, afirmou hoje que o Governo não aumentará os impostos para responder à acentuada subida das despesas públicas devido à crise e referiu que a dívida gerada será paga mais tarde.

Numa entrevista à rádio “France Info”, o governante insistiu no facto de que a dívida gerada será paga, “mas mais tarde" e graças "ao crescimento futuro da atividade” económica.

13h45 (CET) António Guterres justifica agravamento da pandemia com falta de união

O secretário-geral das Nações Unidas afirmou hoje que o mundo está a pagar o preço da falta de unidade na resposta à pandemia da covid-19 por causa dos países que ignoraram as recomendações da Organização Mundial da Saúde.

“Temos visto expressões de solidariedade, mas não de unidade na resposta à covid-19, com países a seguirem estratégias diferentes, por vezes contraditórias e estamos a pagar o preço”, afirmou, António Guterres, na abertura da 73.ª Assembleia Mundial da Saúde, salientando que “muitos países ignoraram as recomendações da Organização Mundial da Saúde”.

13h30 (CET) Portugal sofreu mais 13 mortes e soma mais 173 infeções

Portugal regista hoje 1.231 mortes relacionadas com a covid-19, mais 13 do que no domingo, e 29.209 infetados, mais 173, segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de domingo, em que se registavam 1.218 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1,1%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (29.209), os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que há mais 173 casos do que no domingo (29.036), representando uma subida de 0,6%.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (698), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (279), do Centro (223), do Algarve (15), dos Açores (15) e do Alentejo, que regista um caso, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de sábado, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Outras notícias do dia:

  • Bélgica regista em 24 horas 279 novos caos de Covid-19, menos 28 do que no domingo, e 43 mortes, menos quatro do que no dia anterior, indicam os dados oficiais hoje divulgados. O total de infeções pelo SARS-CoV-2 é agora de 55.559 e o número de mortes é de 9.080. No domingo, foram hospitalizadas 43 pessoas (60 no sábado), para um total de 16.798, e 27 tiveram "alta", somando agora 14.657 pessoas recuperadas;
  • Rússia anuncia, pela primeira vez desde maio, menos de nove mil casos de contágio diários de Covid-19 e mantém-se atualmente como o segundo país com maior número de diagnósticos positivos, a nível global, depois dos Estados Unidos. De acordo com números oficiais, no domingo foram registados 8.929 novos casos. No total, o país regista 2.722 mortos e 290.678 casos de contágio pelo novo coronavírus.
  • Alemanha totaliza hoje 174.697 casos diagnosticados de covid-19 e detetou um novo foco da doença num matadouro, na região da Baixa Saxónia, onde 92 funcionários testaram positivo. No domingo, foram registados 342 novos casos e 21 vítimas mortais, para um total de 7.935 óbitos. O Instituto Robert Koch (RKI) revela haver no país 154.600 pessoas recuperadas, um aumento de 1.100 em relação ao dia anterior.
Universidade Johns Hopkins
Atualizado às 12h32 de 18 de maio de 2020Universidade Johns Hopkins
  • África anunciou hoje o registo de mais 60 mortes e mais 84 mil casos de infeção no continente, elevando os totais para os 2.764 óbitos e 84.586 diagnósticos positivos em 54 países. O número total de doentes recuperados aumentou para 32.477.
  • O norte de África mantém-se como a região mais afetada pela doença no continente, com 1.422 mortos e 27.282 infetados com a covid-19. A África Ocidental passou hoje os 500 mortos (509) e há 24.165 infeções, enquanto a África Austral contabiliza 283 mortos e 16.812 casos, quase todos concentrados num único país, a África do Sul (15.515).
  • Egito é o país africano com mais mortos (630) e tem 12.229 casos, seguindo-se a Argélia, com 548 mortos e 7.019 infetados. A África do Sul tornou-se o terceiro com mais mortos (264), continuando a ser o país do continente com mais casos de covid-19, com 15.515 infetados.
Africa CDC
Atualizado a 18 de maio de 2020Africa CDC

A pandemia de SARS-CoV-2

O surto deste novo coronavírus, denominado SARS-CoV-2 e que provoca a doença Covid-19, terá surgido em dezembro num mercado de rua da cidade chinesa de Wuhan. O primeiro alerta endereçado à Organização Mundial de Saúde aconteceu a 31 de dezembro referindo o caso de uma pneumonia desconhecida. O primeiro registo na Europa surgiu a 24 de janeiro, em França, quatro dias depois dos Estados Unidos. Médicos em França sugerem, entretanto, ter assistido o primeiro paciente no país com Covid-19 a 27 de dezembro depois de repetirem em abril as análises de exames a antigos pacientes com sintomas suspeitos da nova doença. De acordo com os registos oficiais, a pandemia entrou em África, pelo Egito, a 15 de fevereiro, e dez dias depois chegou à América do Sul, pelo Brasil. A pandemia bloqueou a maior parte do mundo desde meados de março. Dois meses depois, apesar da pandemia continuar em expansão, alguns países começam a afrouxar as medidas de contenção e a promover a retoma económica.