Covid-19: PIB do Brasil poderá recuar 6,25% em 2020

AP photo
AP photo Direitos de autor Silvia Izquierdo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Produto Interno Bruto, a maior economia da América do Sul, cairá 6,25% em 2020 devido à pela pandemia do novo coronavírus, de acordo com a previsão do mercado financeiro divulgada esta segunda-feira

PUBLICIDADE

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a maior economia da América do Sul, cairá 6,25% em 2020 devido à pela pandemia do novo coronavírus, de acordo com a previsão do mercado financeiro divulgada hoje.

Esta é a décima sexta queda consecutiva das previsões para o PIB registada no Boletim Focus, um informe divulgado semanalmente pelo Banco Central do país com projeções de 100 analistas de mercado, e que na semana passada sinalizou uma queda de 5,89% do PIB brasileiro para este ano.

Há um mês, a previsão dos analistas consultados pelo Banco Central era de queda de 3,76%.

O colapso da economia mostra os efeitos devastadores da covid-19, que até este domingo provocou quase 30 mil mortos no Brasil e mais de meio milhão de infeções. O pico da pandemia no país deverá acontecer entre este mês e o próximo.

Os dados do mercado financeiro são ainda piores que os últimos divulgados pelo Governo, que em maio estimou uma queda de 4,7% do PIB.

Também supera em quase um ponto a estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI), que prevê uma queda de 5,3% da economia brasileira.

A recessão histórica por que o Brasil está a passar começou a ser sentida desde o primeiro trimestre, quando a produção de riquezas contraiu 1,5% em relação aos últimos três meses de 2019, segundo dados publicados na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado não refletiu totalmente os impactos negativos da paralisação de muitas atividades económicas no Brasil devido à pandemia.

Por outro lado, os analistas aumentaram levemente a estimativa de inflação para 1,65% contra a projeção de 1,53% calculada há uma semana.

Os analistas consultados pelo Boletim Focus também mantiveram as suas previsões de crescimento da economia brasileira para 2021 e 2022, de 3,50% e 2,50%, respetivamente.

Antes do surgimento da covid-19, a maior economia da América do Sul ainda se recuperava de uma crise económica vivida entre 2015 e 2016, quando o PIB brasileiro retraiu cerca de sete pontos percentuais. Nos anos seguintes, o PIB do Brasil registou duas subidas seguidas de 1,3% e de 1,1%, em 2019.

Na semana passada, o Ministério da Economia do país admitiu numa nota técnica que o ciclo de recuperação económica iniciado em 2017 acabou.

"O resultado negativo da atividade económica no primeiro trimestre, embora esperado, lamentavelmente coloca fim à recuperação económica em curso desde o início de 2017", refere-se no documento.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 372 mil mortos e infetou mais de 6,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasil prevê recuperação económica no terceiro trimestre

Três polícias detidos numa operação contra milícia no Rio de Janeiro

Brasil regista maior apreensão de droga de sempre em alto mar