Última hora
This content is not available in your region

Conselho Europeu ainda sem acordo sobre plano de recuperação económica

euronews_icons_loading
Conselho Europeu ainda sem acordo sobre plano de recuperação económica
Direitos de autor  Olivier Hoslet/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Sem surpresas, a cimeira virtual de chefes de Estado e de Governo da União Europeia terminou como começou: sem um acordo nas negociações sobre o plano de recuperação económica do bloco comunitário.

Consenso só mesmo no reconhecimento da necessidade de uma resposta à altura de um desafio tão grande como a pandemia de Covid-19.

"Os líderes europeus concordaram, de forma unânime, que a severidade desta crise justifica uma resposta comum ambiciosa. Uma resposta que combine solidariedade, investimento e reformas. Também fiquei satisfeita por ouvir muitos líderes enfatizar que precisamos de fazer tudo ao nosso alcance para alcançar um acordo no Conselho Europeu anterior à pausa de verão", sublinhou, em conferência de imprensa, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Apesar de algum otimismo que possa transparecer está claro que persistem grandes diferenças entre os Estados-membros.

"Há um consenso emergente, o que é bastante positivo, mas ao mesmo tempo não subestimamos as dificuldades", referiu o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

De um lado estão os chamados países frugais, como a Áustria, Dinamarca, Suécia e Países Baixos, que insistem que é necessário discutir em que é que se gastará o dinheiro, de que forma será distribuído e a que condições é que a ajuda está associada. Do outro, há um conjunto mais vasto de Estados-membros intitulados "amigos da coesão", onde se insere Portugal ou Itália.

No Twitter, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, falou em "progressos." Até porque há um sinal positivo. Como referiu Angela Merkel, ninguém colocou em causa o princípio da divida partilhada.

A espera por um entendimento fica, agora, adiada até meados de julho, data da próxima cimeira.