Última hora
This content is not available in your region

Estados Unidos com mais de 50.000 casos diários

euronews_icons_loading
Estados Unidos com mais de 50.000 casos diários
Direitos de autor  Elise Amendola/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos preparam-se para celebrar este sábado um 4 de julho marcado pela franca ascensão da epidemia de coronavírus.

A pandemia parece estar a regredir apenas no nordeste do país, mas em 40 dos 50 Estados as curvas de infeção estão a subir e, esta quinta-feira, foi registado um novo máximo diário, com mais de 50.000 novos casos apurados num espaço de 24 horas.

O Texas, o Arizona, a Flórida e a Califórnia são os Estados mais afetados, recuando atualmente nas medidas de desconfinamento que tinham sido anunciadas.

Mesmo os governantes mais relutantes insistem agora no uso de máscara generalizado, seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde.

Maria Van Kerkhove, epidemiologista da OMS: "O que sabemos é que o vírus se transmite através de gotículas respiratórias de uma pessoa infetada, mais frequentemente quando tem sintomas. Mas também pode acontecer antes dela mostrar sintomas ou no momento em que começa a exibi-los, ainda de forma bastante ligeira. E também pode acontecer quando uma pessoa está infetada mas não tem qualquer sintoma."

No Brasil, segundo país mais afetado, com mais de 60.000 mortes e quase um milhão e meio de casos, assiste-se ao levantamento de restrições, contra as recomendações dos peritos de saúde. No Rio de Janeiro, bares e restaurantes puderam reabrir esta quinta-feira.

Roberto Medronho, diretor de investigação no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, no Rio de Janeiro: "Aqui no Brasil, além do vírus Sars Cov 2 que está nos infectando, temos também a infecção de um outro vírus muito mais letal, que é o da má política. Os governantes está querendo se reeleger e nem estão preocupados com a saúde da população."

Com uma curva que continua também a subir fortemente, a Índia avançou com uma campanha de testes porta-a-porta para tentar conter focos da epidemia.

Heta Mhatre, médica: "Estamos a identificar os casos suspeitos. É isso que estamos a fazer, verificando as suas temperaturas e capacidades de oxigénio, com os nossos termómetros e oxímetros."

A Índia ultrapassou os 600.000 casos esta quinta-feira e a região da capital, Nova Deli, é uma das mais afetadas.

A Covid-19 fez mais de 517.000 mortos em todo o mundo, segundo um balanço estabelecido pela agência France Press.