EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Boris Johnson diz que Brexit não teve dedo russo

Boris Johnson diz que Brexit não teve dedo russo
Direitos de autor Jessica Taylor/AP
Direitos de autor Jessica Taylor/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Executivo foi acusado de ter demorado a reconhecer a existência da ameaça e de atrasar a divulgação do relatório de 55 páginas da Comissão Parlamentar de Informação e Segurança do Reino Unido.

PUBLICIDADE

Os deputados da Comissão Parlamentar de Informação e Segurança do Reino Unido querem que o Governo de Boris Johnson investigue alegadas interferências russas na vida política do país, em especial na campanha do referendo de 2016 sobre o Brexit.

O Executivo foi acusado de ter demorado a reconhecer a existência da ameaça e de atrasar a divulgação do relatório de 55 páginas da Comissão.

No Parlamento, o líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, referiu que o documento "conclui que a Rússia representa uma ameaça imediata e urgente à segurança nacional e está envolvida em várias atividades que incluem espionagem, interferência em processos democráticos e crimes graves." Starmer afirmou que "o primeiro-ministro recebeu esse relatório há 10 meses" e questionou "dado que a ameaça é descrita como imediata e urgente, por que razão o Primeiro-ministro ignorou por tanto tempo esse relatório?".

Boris Johnson defendeu-se afirmando que, na época em que ele assumiu a pasta dos Negócios Estrangeiros, o Governo tomou "a ação mais forte possível" contra a Rússia. O primeiro-ministro garantiu que aqueles que defendiam a permanência no bloco europeu "se aproveitaram deste relatório para tentar dar a impressão de que a interferência russa foi de alguma forma responsável pelo Brexit." Johnson assegurou que os britânicos não votaram para sair da União "devido à pressão da Rússia e à interferência russa. Votaram porque queriam retomar o controlo".

O documento refere que o Reino Unido é um dos principais alvos da campanha de desinformação da Rússia devido à proximidade com os Estados Unidos da América e à influência que detém juntos dos aliados ocidentais.

A Grã-Bretanha está a refletir sobre uma nova legislação que combata a atividade dos governos hostis que daria mais poderes aos serviços de segurança do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Reino Unido dá ultimato à UE para terminar acordo pós-Brexit

Incerteza paira sobre o sector da logísitca no Reino Unido

Impasse nas negociações de acordo comercial pós-brexit