EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Refugiados sem apoios em Atenas

Refugiados sem apoios em Atenas
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sem emprego e sem dinheiro, muitos acabam a dormir nas ruas

PUBLICIDADE

Mohammed Alfarhan tem 28 anos, é refugiado sírio e a Grécia concedeu-lhe asilo. De acordo com a lei só pode permanecer neste apartamento durante 30 dias.

Deveria ter saído a 31 de maio, mas afirma que não tem para onde ir nem meios para sustentar a família pois já não recebe o subsídio de requente de asilo, que são cerca de 400 euros.

Alfarhan afirma que tem dois filhos e não consegue encontrar um emprego. "Os procedimentos demoram muito tempo" e ainda não tem o cartão de refugiado. O jovem afirma que precisam de apoio e orientação.

Esta família espera conseguir chegar à Alemanha, onde vivem os pais de Mohammed. São eles que os ajudam a sobreviver em Atenas, enviando-lhes dinheiro.

Alguns refugiados são menos afortunados. Estas pessoas deixaram Lesbos, mas em Atenas ninguém estava à sua espera...

O iraniano Bardia Hosseinour conta que têm cartão de identidade, mas não têm nem dinheiro nem sítio para viver. Dizem que as autoridades gregas não os aceitam nos acampamentos em Atenas.

Já Mandana Mazdabadi afirma que a falta de condições é muito prejudicial para a sua saúde.

As autoridades gregas argumentam que muitos refugiados estão a ser institucionalizados e que é precisa mudar isso.

As organizações não-governamentais falam de uma política injusta e afirmam que o Estado não está interessado na integração dos refugiados.

O advogado Lefteris Papagiannakis, da organização "Solidariedade Agora", explica que "as políticas de integração têm certos passos com um princípio, um meio e um fim. Aqui, de momento, não há nada. Existem alguns programas importantes de habitação e de assistência monetária que não estão interligados e não têm continuidade."

"Depois de anos no país, a maioria dos refugiados não fala grego. O elevado desemprego e a Covid-19 tornam as coisas ainda mais difíceis para aqueles que têm de se manter de pé. Sem uma rede de segurança, muitos migrantes acabam desalojados na Praça Victoria'', relata o jornalista da euronews Apostolos Staikos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arguidos do incêndio de 2018 que matou mais de 100 pessoas na Grécia voltam a julgamento

Direitos laborais, inflação e Gaza na manifestação do 1.º de Maio em Atenas

Tocha Olímpica já foi entregue aos organizadores franceses