EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Pandemia "contamina" valor das petrolíferas

Pandemia "contamina" valor das petrolíferas
Direitos de autor J. David Ake/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor J. David Ake/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Total, Shell e Eni registaram pesadas perdas entre abril e junho, mas a francesa e a anglo-holandesa terão aproveitado para garantir ganhos futuros

PUBLICIDADE

Enormes desvalorizações foram anunciadas esta quinta-feira por três das maiores petrolíferas do mundo.

O segundo trimestre do ano terá provocado uma perda líquida na francesa Total de mais de €7,5 mil milhões de euros, a larga maioria numa exploração arenosa do Canadá.

A queda do preço do petróleo, as políticas da transição energética e, sobretudo, o impacto da pandemia estarão na base da desvalorização também revelada pela Shell.

A petrolífera anglo-holandesa alega ter perdido mais de €15 mil milhões de euros.

A italiana ENI registou um impacto mais modesto, mas ainda assim uma perda de €4,4 mil milhões de euros entre abril e junho, com prejuízos ajustados de quase €715 milhões de euros.

Apesar das perdas líquidas anunciadas, Total e Shell revelaram ter antecipado ganhos futuros, sem precisar valores.

As duas empresas aproveitaram a redução da procura durante os meses de confinamento provocado pela pandemia para a aquisição de petróleo a baixo custo para armazenamento e revenda inflacionada mais à frente no tempo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE revela estratégia para energia à base de hidrogénio

Recuperação económica pós-Covid deve ser "sustentável"

Portugal sem energia a partir de carvão pela primeira vez em 35 anos