EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Governo bielorrusso bloqueia 50 sites de informação

Governo bielorrusso bloqueia 50 sites de informação
Direitos de autor Dmitri Lovetsky/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Dmitri Lovetsky/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Continua o braço-de-ferro entre o presidente Alexander Lukashenko e a oposição, apesar das tentativas de a silenciar.

PUBLICIDADE

A ofensiva das autoridades bielorrussas contra os manifestantes continua, desta vez na Internet, com o bloqueio de cerca de 50 sites de meios de comunicação social internacionais que estão a cobrir os protestos. Mas isso não está a fazer calar a população, descontente com a reeleição do presidente Alexander Lukashenko, que acusam de fraude, para um sexto mandato.

Diz Irina, manifestante: "Somos muitos. É impossível calar toda a gente, despedir ou prender todos. Se prendem cem, amanhã há 200 a protestar. As pessoas já não aguentam, estamos no limite".

Se prendem 100, amanhã há 200 a protestar.
Irina
Manifestante

Lukashenko, no poder ininterruptamente desde 1994, diz que as manifestações são apenas uma manipulação por parte do ocidente. O presidente falou para algumas centenas de apoiantes na visita a exercícios militares perto das fronteiras com a Polónia e Lituânia.

É na Lituânia que está refugiada a candidata que liderou a oposição nas eleições, Sviatlana Tsikhanouskaya, apresentou um roteiro para o apaziguamento do país.

Diz: "O primeiro passo é a libertação dos presos políticos e, com a ajuda de um conselho coordenador, ter um diálogo que leve a novas eleições, transparentes e justas, para que o povo possa escolher os líderes que quiser".

As greves atingem fábricas por todo o país e os protestos também não dão tréguas. Centenas de mulheres formaram uma cadeia humana em Minsk. À noite, um outro protesto juntou cerca de três mil pessoas na capital.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos maciços contra Alexander Lukashenko

Pelo menos três mortos em tiroteio durante marcha pela paz no Paquistão

Manifestantes no Quénia entram em confronto com a polícia de choque