Última hora
This content is not available in your region

Lukashenko: "Que seria do país sem mim?"

euronews_icons_loading
Lukashenko: "Que seria do país sem mim?"
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois dos novos episódios de repressão, os opositores ao presidente Alexander Lukashenko, na Bielorrússia, não baixam os braços e concentraram-se perto da prisão onde estão detidos vários manifestantes e grevistas presos nos últimos dias.

Uma estudante diz que "está ali para rezar por aqueles que estão presos, por aqueles que saíram e por aqueles que foram vítimas de agressão por parte da polícia. É difícil acreditar que este tipo de coisas aconteceu nos anos 30 e 40 e está a repetir-se agora". Diz que espera que seja a última vez que isto acontece na história da Bielorrússia.

As autoridades da Bielorrússia estão decididas a não deixar os manifestantes e grevistas levar a melhor. Um dos líderes das greves que estão a afetar as principais fábricas do país foi detido, esta sexta-feira. Vários instigadores das manifestações têm agora de enfrentar um processo na justiça. Para Lukashenko, só ele pode garantir o futuro do país.

"Deus nos livre de este país falhar. Ficam sem trabalho e depois é a mim que vêm pedir. Não vou ficar aqui para sempre, sei isso melhor que vocês e às vezes penso em sair, mas depois sento-me e penso em vocês. O que vos vai acontecer se a oposição chegar ao poder? Vão ficar com tudo o que é vosso. O que vai acontecer convosco e com os vossos filhos?"

O que vos vai acontecer se a oposição chegar ao poder? Vão ficar com tudo o que é vosso.
Alexander Lukashenko
Presidente da Bielorrússia

Em Brest, no oeste do país, foram os apoiantes do presidente a organizar a manifestação. A Bielorrússia está a viver as tensões mais graves desde a independência depois de Lukashenko, que governa o país há mais de 25 anos, ter sido eleito para um sexto mandato.