EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Greves e manifestações apertam cerco a Lukashenko

Greves e manifestações apertam cerco a Lukashenko
Direitos de autor Sergei Grits/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Sergei Grits/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cresce a pressão das ruas para a demissão do presidente bielorrusso, reeleito para um sexto mandato.

PUBLICIDADE

À porta da prisão em Minsk onde o opositor Siarhei Tsikhanouski passou o dia de aniversário, a multidão pede a liberdade. Nas fábricas, na televisão estatal, no Teatro Nacional e locais por toda a Bielorrússia continuam as greves para pressionar o presidente reeleito Alexander Lukashenko a deixar o poder, depois das eleições presidenciais que consideram fraudulentas e lhe deram um sexto mandato.

Com a TV em greve, um estúdio vazio é o que os bielorrussos veem à hora do telejornal.

Sviatlana Tsikhanouskaya, candidata derrotada e mulher de Siarhei, deixou uma mensagem de alento: "Esta flagrante injustiça e impunidade mostram como funciona o sistema decadente que permite a uma pessoa controlar tudo. Ele e outros estão na cadeia. Mas pede que não fiquem sentados e façam tudo para poderem viver neste país para o resto da vida".

Na visita a uma fábrica, Lukashenko minimizou as greves, que diz serem insignificantes. Diz-se pronto a repetir as eleições, mas só depois de ver aprovada, em referendo, uma proposta de revisão constitucional com que pretende ganhar tempo face à oposição.

A pressão aumenta também da parte da comunidade internacional e de governos como o da Alemanha face àquela que é considerada a última ditadura da Europa. Os protestos duram há nove dias. A repressão causou já pelo menos duas mortes e cerca de 7000 detenções.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos

Lukashenko afirma que Putin não lhe disse nada sobre a guerra com a Ucrânia