EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tsikhanouskaya em Bruxelas para influenciar decisão sobre sanções

Tsikhanouskaya em Bruxelas para influenciar decisão sobre sanções
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os chefes da diplomacia da UE decidem sobre a aplicação de sanções a dezenas de figuras do regime de Lukashenko.

PUBLICIDADE

Enquanto os chefes da diplomacia dos Estados-membros da União Europeia discutem a possibilidade de aplicar sanções a várias dezenas de figuras da Bielorrússia, incluindo o presidente Alexander Lukashenko, a candidata presidencial derrotada Sviatlana Tsikhanouskaya foi a Bruxelas influenciar o debate. Exilada na Lituânia, com o marido, também candidato da oposição, preso em Minsk, Tsikhanouskaya tem-se evidenciado como figura cimeira da oposição.

Na conferência que deu, disse que as sanções são importantes para esta luta, uma vez que são o ponto de pressão necessário para que as autoridades do país comecem a dialogar com a oposição.

O representante máximo da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, nega que estas sanções ou outras formas de pressão sejam uma interferência nos assuntos internos da Bielorrússia.

Disse Borrell: Quero sublinhar que apoiamos o diálogo nacional inclusivo e o direito do povo bielorrusso a eleições livres e justas. Isso não pode ser encarado como uma interferência nos assuntos internos, porque a democracia e os direitos humanos estão no coração da identidade da União Europeia.

Alexander Lukashenko, presidente ininterrupto da Bielorrússia desde 1994, foi reeleito para um sexto mandato numas eleições que a oposição acusa de fraudulentas, o que desencadeou a maior onda de manifestações que o país conheceu desde a independência. O país é considerado a última ditadura da Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos

Lukashenko afirma que Putin não lhe disse nada sobre a guerra com a Ucrânia