Última hora
This content is not available in your region

Euronews "a bordo" da Vendée Globe

euronews_icons_loading
O "skipper" Armel Tripon a bordo do Imoca L'Occitane en Provence
O "skipper" Armel Tripon a bordo do Imoca L'Occitane en Provence   -   Direitos de autor  © Pierre BOURAS / L'Occitane en Provence
Tamanho do texto Aa Aa

Uma volta ao mundo à vela, em solitário, sem escalas e sem assistência: está dado o mote para a Vendée Globe, uma prova que muitos velejadores classificam como o "Evereste dos mares".

A regata arranca no domingo, rodeada de importantes restrições devido à pandemia de coronavírus, obrigando nomeadamente os "skippers" em competição a cumprirem oito dias de confinamento estrito antes de se lançarem na aventura.

Mas a euronews teve, antes, a oportunidade de navegar a bordo de um dos veleiros concebidos especialmente para esta prova única e falar com o "homem do leme", Armel Tripon, acerca desde enorme desafio.

A Vendée Globe é um sonho um pouco louco... É preciso ser um pouco louco para dar a volta ao mundo desta forma, completamente sozinho. E acho que é uma loucura ainda maior poder fazê-lo numa embarcação completamente nova. (...) De qualquer forma, é um enorme desafio e o sonho de uma vida."
Armel Tripon
"skipper" do L'Occitane en Provence

Uma Vendée Globe marcada pela pandemia de coronavírus

Um sonho com um significado particular nesta nona edição, que parte de Sables d'Olonne, na costa atlântica francesa, sem público e sem as tradicionais festividades, devido às restrições sanitárias no país, mas que permitirá aos 33 competidores representando 9 nações - entre os quais seis mulheres - escapar de certa forma à realidade.

Está claro que nos vamos sentir num momento de liberdade total. Só tenho vontade de uma coisa, que é partir, navegar e deixar para trás de certa forma este mundo pleno de ansiedade. Vamos estar muito bem no mar, sozinhos nos nossos veleiros.
Armel Tripon
"skipper" do L'Occitane en Provence

Um "outsider" entre os favoritos

Esta poderá ser a primeira Vendée Globe para Armel mas, com uma longa experiência nos mares, incluíndo a vitória na Rota do Rum em 2018 na categoria Multi50, o skipper francês faz tanto parte dos "outsiders" como dos favoritos.

Eu assumo todos os estatutos, mas é verdade que o de 'outsider' me assenta bem, porque nós somos como uma emboscada, temos um projeto que arrancou tarde, com uma embarcação que demorou um pouco a otimizar.

"Mas atualmente estamos prontos, resolvemos os pequenos problemas de juventude e temos um veleiro interessante. Estamos prontos para o combate.
Armel Tripon
"skipper" do L'Occitane en Provence
© Pierre BOURAS / L'Occitane en Provence
Armel Tripon a bordo do L'Occitane en Provence© Pierre BOURAS / L'Occitane en Provence

Uma prova de resistência contra os elementos

Serão precisos mais de dois meses de persistência e intensos esforços a bordo para que os navegadores concluam a volta ao mundo.

Em apenas algumas horas face aos caprichos do vento e do mar, a euronews teve uma pequena demonstração da imensidão do desafio e dificuldades inerentes a uma das regatas mais prestigiosas do mundo.