Última hora
This content is not available in your region

A paz frágil do Nagorno-Karabakh

euronews_icons_loading
Shushi/Shusha
Shushi/Shusha   -   Direitos de autor  AP/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A contenda em torno do Nagorno-Karabakh remonta aos anos 90. A Arménia e o Azerbaijão travaram uma guerra de dois anos, seguida de tréguas pouco fáceis, mas sem um fim formal das hostilidades.

O enclave está inteiramente contido dentro das fronteiras internacionalmente registadas do Azerbaijão. Mas a sua população é em grande parte constituída por arménios étnicos,

As últimas seis semanas de violência eclodiram com o aumento da tensão sobre a linha de contacto estabelecida após essa guerra. A Turquia foi rápida a atirar o seu apoio para trás do Azerbaijão.

Houve várias tentativas internacionais de mediação para um cessar-fogo, mas nenhuma teve sucesso. Os drones e a artilharia pesada tornaram-se imagens habituais na linha da frente.

No auge dos combates, o presidente azeri, Ilham Aliyev, falou exclusivamente à euronews: "O cessar-fogo não pode ser alcançado de forma unilateral. Tem de ser uma decisão bilateral, implementada no terreno. Como sabem, a Arménia atacou-nos no dia 27 de setembro, atacou as nossas posições e danificou a nossa infraestrutura", disse então.

O primeiro-ministro arménio rejeitou essas alegações e acusou os azeris de limpeza étnica na região: "Hoje, nos media internacionais e na comunidade internacional, há informação suficiente para que se saiba que a Arménia e o Karabakh não poderiam ter começado esta guerra pela simples razão de que não temos tarefas militares a levar a cabo aqui. A nossa tarefa é política. O nosso único propósito é proteger o povo arménio de um novo genocídio", disse Nikol Pashinyan.

A cidade estratégica de Shusha (para os azeris) ou Shushi (para os arménios) tornou-se um ponto quente. Estima-se que os combates tenham levado à morte de mais de mil pessoas de cada lado. Muitas mais foram forçadas a abandonar as suas casas. Embora o plano de paz de Putin possa pôr fim à violência recente, não irá restaurar as vidas e as casas perdidas,