Última hora
This content is not available in your region

Europol diz que terrorismo islâmico está mais complexo

Europol diz que terrorismo islâmico está mais complexo
Direitos de autor  JOE KLAMAR/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

2020 revelou-se um ano de pico nos ataques terroristas conduzidos por radicais islâmicos na Europa, que ensombram a vida quotidiana há uma década.

Só desde o verão foram levados a cabo quatro ataques com vítimas mortais, sendo França o país mais atingido.

No ano passado, a agência policial europeia Europol desmantelou cerca de uma centena de conspirações e deteve mais de mil suspeitos.

"Em termos de tendência geral, pode dizer-se que o enquadramento dos incidentes de terrorismo está a ficar muito mais complexo. Já não é como há alguns anos em que estava claro que os ataques eram levados a cabo pelo autodenominado Estado Islâmico e pela Al-Qaida. O panorama é mais diversificado. Em geral, há maior dificuldade em termos da capacidade de reação das autoridades policiais, é muito mais difícil intervir”, disse Wil van Gemert, vice-diretor da Europol em entrevista à euronews.

Um estudo da Europol revela que o confinamento devido a pandemia de Covid-19 levou a que potenciais atacantes muçulmanos passassem mais tempo a verem sites na Internet com conteúdos que conduzem à radicalização.

Há uma partilha da responsabilidade entre os agentes da autoridade e os parceiros privados para manter a sociedade mais segura.
Wil van Gemert
Vice-diretor, Europol

A Europol tem uma unidade para monitorizar sites e trabalha de perto com o setor privado, segundo Wil van Gemert: "Temos uma forte cooperação com os principais fornecedores de serviços digitais, Existe uma plataforma na União Europeia que permite aos maiores fornecedores denunciarem e removerem conteúdos violentos. Há uma partilha da responsabilidade entre os agentes da autoridade e os parceiros privados para manter a sociedade mais segura".

Combater a raíz ideológica salafista

Os peritos dizem que é preciso ir além da vigilância dos operacionais jihadista, isto é, aqueles que levam a cabo atos violentos em nome da defesa do Islão e para punir alegados ataques dos infiéis à sua fé.

A propaganda ideológica de alguns movimentos religiosos, tais como o salafismo, é uma das raízes do problema, segundo Claud Moniquet, especialista em contra terrorismo e diretor do ESISC: "As pessoas não nascem jihadistas, tornam-se jihadistas".

"Isso acontece através de um processo de radicalização em várias etapas ao nível religioso e político, nomeadamente a influência do movimento salafista não jihadista", acrescentou.

O presidente francês, Emmanuel Macron, quer criar legislação para combater a ideologia salafista e debateu o tema, terça-feira, com os chanceleres da Alemanha e da Áustria, países que sofreram ataques terroristas este ano.

Já o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel defendeu a criação de um instituto europeu para dar formação a pregadores muçulmanos.

"A Europa deveria trabalhar com os países muçulmanos moderados que são nossos aliados e com as comunidades muçulmanas europeias que lutam contra a corrente do salafismo. Isso permitiria marginalizar ou mesmo extirpar a influência atual na comunidade mucurana destes grupos salafistas", sugeriu, por seu lado, Claude Moniquet.

Os ministros da Justiça e da Administração Interna da União Europeia vão debater este tema numa reunião extraordinária, na sexta-feira.