Última hora
This content is not available in your region

Morreu Valéry Giscard d'Estaing

euronews_icons_loading
Morreu Valéry Giscard d'Estaing
Direitos de autor  Michel Euler/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Morreu Valéry Giscard d'Estaing, antigo presidente francês e um dos motores da construção europeia. Tinha 94 anos e estava hospitalizado desde 17 de novembro com insuficiência cardíaca, depois de ter sido infetado com Covid-19.

Foi o primeiro não gaulista a ocupar o Eliseu no pós-guerra. Tinha 48 anos quando venceu Miterrand em 1974. Ficou para a história a frase que disse ao então candidato da União das esquerdas: "o senhor não tem o monopólio do coração".

Aliou-se ao então chanceler alemão Helmut Schmidt e esteve na origem do Conselho da Europa e do Sistema Monetário Europeu, embrião da moeda única. É dele a assinatura da lei que baixou a idade de voto em França dos 21 para os 18 anos, e consagrou o direito à interrupção voluntária da gravidez e a possibilidade de divórcio por mútuo acordo. Apesar de se ter recandidatado ao cargo, foi derrotado em 1981 por François Miterrand.

Antes de chegar à Presidência, Giscard d'Estaing foi ministro das Finanças quando Georges Pompidou era primeiro-ministro, entre 1962 e 1966. Voltou ao Governo com as mesmas funções quando Pompidou já era Presidente entre 1969 e 1974.

Mais de 20 anos depois de ter sido presidente, tomou em mãos a tarefa de redigir a Constituição Europeia. Um projeto que foi arrumado na gaveta, chumbado primeiro num referendo em França e depois bloqueado pelos Países Baixos.

Na reação à morte do estadista, o presidente português elogia o homem e o académico. Marcelo Rebelo de Sousa destaca o caráter de defensor da Liberdade e da Democracia, e amizade que tinha a Portugal e às Comunidades Portuguesas.

É o lado europeísta que merece mais elogios nacionais e internacionais.

O antigo presidente francês Nicolas Sarkozy sublinha-lhe a vida dedicada a reforçar os laços entre os países da Europa.

François Hollande destaca a escolha que o antecessor fez ao abrir a França ao mundo.

Na campanha eleitoral de 74, ficou para a história a frase que disse a François Miterrand: "o senhor não tem o monopólio do coração". O mesmo coração que o traiu esta quarta-feira.