Medidas mais duras para travar a pandemia em Inglaterra

Medidas mais duras para travar a pandemia em Inglaterra
Direitos de autor Toby Melville/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro britânico anunciou duras restrições em Londres e no sudeste de Inglaterra, a partir deste domingo, devido ao aumento das infeções

PUBLICIDADE

Após uma reunião de emergência do governo para discutir estratégias para travar a propagação do novo coronavirus, o primeiro-ministro britânico anunciou novas regras mais duras em Londres e todo o sudeste de Inglaterra.

Os conselheiros científicos do governo dizem que a nova variante do coronavírus está a acelerar a propagação de infeções até 70%.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, anunciou no final da reunião do executivo: "Como primeiro-ministro é meu dever tomar decisões difíceis, fazer o que é correto para proteger o povo deste país. Dadas as primeiras provas que temos sobre a nova variante do vírus, o risco potencial que representa, é com o coração muito pesado, que vos digo que não podemos continuar com o Natal como planeado"

Londres e todo o sudeste de Inglaterra entram a partir de domingo no nível 4, o mais rigoroso em termos de restrições, que encerra o comércio não essencial e recomenda às populações que fiquem em casa. A flexibilização das regras de socialização no Natal, que permitiria que até três famílias se reunissem, é cancelada para as áreas de Nível 4.

Não há atualmente provas que sugiram que a nova estirpe seja mais mortal ou que ponha em causa as vacinas ou os tratamentos, mas as infeções multiplicam-se e o Serviço Nacional de Saúde está sob uma pressão significativa, com quase 90% das camas hospitalares em Inglaterra ocupadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo