Última hora
This content is not available in your region

Decisão sobre extradição de Assange

euronews_icons_loading
Decisão sobre extradição de Assange
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

As revelações da WikiLeaks sobre documentos classificados dos Estados Unidos fizeram de Julian Assange um alvo dos procuradores norte-americanos.

Mas foi uma acusação por agressão sexual e violação na Suécia que levou as autoridades a emitir um mandado de captura internacional. Na altura, Assange disse que a acusação “não tinha fundamento" e que os funcionários suecos estavam a agir como procuradores de Washington.

Durante quase dois anos lutou contra a extradição para a Suécia, levando o caso até ao Supremo Tribunal do Reino Unido.

A justiça em Londres autorizou a extradição para a Suécia e, em 2012, Assange conseguiu refúgio na embaixada do Equador na capital britânica. Viveu na embaixada cerca de sete anos. Continuou as batalhas legais e desgastou os anfitriões, que acabaram por lhe pedir que saísse. A estadia terminou de forma dramática e controversa quando a polícia entrou na embaixada e o prendeu.

Em 2019 a Suécia encerrou a investigação contra Assange que luta agora contra o pedido de extradição dos Estados Unidos.

Está preso porque violou as condições de fiança e tem a saúde cada vez mais debilitada.