EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Planta invasora asfixia grande lago dos Camarões

Salvínia gigante cobre um quarto da superfície do lago Ossa
Salvínia gigante cobre um quarto da superfície do lago Ossa Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma planta invasora está a asfixiar o lago Ossa, nos Camarões, conhecido por ter uma grande população de peixes-boi. Mas atualmente a salvínia gigante, um feto aquático originário do Brasil e do norte da Argentina, impede que os peixes-boi subam à superfície para respirar.

PUBLICIDADE

Uma planta invasora está a asfixiar um grande lago dos Camarões, o lago Ossa, conhecido por ter uma grande população de peixes-boi. Mas atualmente a salvínia gigante, um feto aquático originário do Brasil e do norte da Argentina, impede que os peixes-boi subam à superfície para respirar. A pesca é a principal fonte de rendimentos da população local.

"Os peixes-boi sofrem. Nós nem podemos lançar a rede durante dia, porque senão perdemo-la imediatamente", diz o pescador Richard Ngollè.

Os rendimentos dos pescadores caíram 80%, por causa desta planta invasora que apareceu neste lago em 2016. Hoje cobre um quarto da superfície. Para combater a salvínia gigante, uma ONG local de defesa do ambiente considerou que era preciso mais do que arrancá-la à mão. "Acrescentámos o controlo biológico, que vai levar algum tempo, mas que é muito mais eficaz, porque se trata de um inseto que se alimenta especificamente da planta salvínia. É um inimigo natural desta planta", explica o diretor da AMMCO, Aristide Takoukam Kamla. 

A ONG espera apenas pela luz verde do Governo camaronês para libertar os gorgulhos salvínia no lago Ossa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mbappé diz-se “honrado” com visita aos Camarões, terra natal do pai

O que está por trás da última polémica de Milei com o governo espanhol?

501 caixões e 200 sacos com cadáveres encontrados abandonados na Argentina