A moda dos artigos em segunda mão

A moda dos artigos em segunda mão
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Plataformas de roupa usada são a tendência da pandemia.

PUBLICIDADE

Virginia Sanz decide libertar espaço no armário, para comprar roupa nova - ou quase. É uma das muitas pessoas que utilizam as plataformas online de artigos em segunda mão: uma forma mais barata e sustentável de acompanhar a moda.

O mercado de segunda mão cresceu significativamente durante a pandemia, com um aumento de 17% no número de anúncios. As restrições e uma mudança na perceção da moda estão na origem desta nova tendência.

Em vez de comprar roupa nova, os consumidores estão a optar por outros serviços como o aluguer de roupas.

A pandemia tem sido uma oportunidade de redescobrimento. Com este serviço, como não é uma compra direta, temos a oportunidade de experimentar estilos e coisas novas e cores que combinam connosco, no conforto de casa sem qualquer risco. Acho que quando sairmos disto tudo, vamos voltar à liberdade com um novo estilo e com novas cores.
Mercedes García
ECODICTA - aluguer de roupas
A pandemia acelerou as tendências da indústria. As marcas estão agora a comprar roupas usadas aos clientes em troca de vales que podem ser utilizados nas suas lojas; ou a lançar os seus próprios serviços de segunda mão e aluguer. É uma forma de participar nesta nova economia circular da moda, à medida que os consumidores continuam a defender uma moda mais justa e transparente.
Jaime Velázquez
Euronews

De acordo com um estudo recente, o mercado da segunda mão vai ultrapassar o mercado da "fast fashion" (a moda de consumo rápido) até 2029 e dar uma nova vida aos tecidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha vai acabar com os vistos gold para investidores imobiliários estrangeiros

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Navio de cruzeiro com 1500 passageiros retido em Barcelona porque 69 bolivianos têm vistos falsos