EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Brasil sem plano de vacinação

Brasil continua sem calendário para as vacinas
Brasil continua sem calendário para as vacinas Direitos de autor Eraldo Peres/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Eraldo Peres/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Anelise Borges
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com a marca dos 200 mil mortos ultrapassadas, as clínicas privadas compram doses de vacinas para dar a quem puder pagar, o que está a gerar críticas.

PUBLICIDADE

Para quem admira a paisagem do Rio de Janeiro a partir do cimo do Pão de Açúcar, parece difícil de imaginar que este é um país que está a ser martirizado pela Covid-19.

As praias cheias também parecem esconder uma realidade dura. O Brasil chegou, há poucos dias, à marca dos 200 mil mortos causados pela pandemia, com números superiores a mil mortos diários. Nas grandes cidades, como o Rio de Janeiro, São Paulo ou Manaus, o panorama é trágico, com hospitais sobrelotados.

Segundo Marcelo Gomes, do instituto Fiocruz, os números verdadeiros podem ser muito superiores aos divulgados, já que a época das festas de final de ano, com muita gente de férias, é propícia a que os números só cheguem com muito atraso.  

O Brasil tem dificuldade em avaliar a verdadeira dimensão da crise de saúde pública causada pela Covid-19 e não parece haver fim à vista nos problemas do país. O ministério da Saúde ainda não tem um programa nacional de vacinação detalhado. Sem uma visão clara de quando e como a população vai ser vacinada, as clínicas privadas começam a tomar iniciativas e a fazer os próprios acordos para importar doses para quem as pode pagar.

Gonzalo Vecina Neto, ex-diretor e um dos fundadores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) critica o que se está a passar e frisa que a distribuição das vacinas não pode privilegiar ninguém: "É inaceitável que quem tem dinheiro possa passar à frente do público geral", disse à euronews.

Ninguém pode passar à frente dos outros só por ter dinheiro.
Gonzalo Vecina Neto
Ex-diretor da Anvisa

O presidente Jair Bolsonaro insiste na narrativa de que o país não pode parar. As restrições aplicam-se apenas localmente, como no caso de Manaus, que decretou um estado de emergência. Os serviços de saúde começam a preparar-se para o pior e estima-se que a situação mais grave chegue nas próximas semanas.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Entre o vírus e a fome

Na linha da frente contra a pandemia

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas