Última hora
This content is not available in your region

Países europeus apertam restrições

euronews_icons_loading
Países europeus apertam restrições
Direitos de autor  Jens Buettner/dpa via AP
Tamanho do texto Aa Aa

Na Alemanha já estão em vigor medidas mais estritas de contenção da pandemia em dez estados após o número de mortos ter ultrapassado os quarenta mil esta segunda-feira.

Escolas, comércio e serviços não essenciais estão fechados.

Cada família pode apenas encontrar-se com uma pessoa de fora.

Em alguns casos, as deslocações estão limitadas a 15 km da residência.

"Não podemos dar a impressão com estas medidas de que os problemas estarão resolvidos em três semanas. Temos que ser claros e transparentes e dizer que estas medidas podem ajudar mas até que ponto não podemos dizer. Recordo a nova variante que também nos ameaça, temos que nos preparar para coisas como essas que ninguém pode prever", alerta o vice-chanceler alemão, Olaf Scholz.

No Reino Unido debate-se a imposição de restrições mais duras dado que a situação de saúde é agora pior do que durante a primeira vaga de Covid-19.

O responsável inglês pela saúde pública, Chris Whitty, afirma que as próximas semanas serão as piores da pandemia.

O primeiro-ministro Boris Johnson reforçou a importância de observar as regras.

"Vamos manter as regras sob revisão constante. Onde tivermos que apertar, apertaremos. Mas temos regras que se forem seguidas acreditamos que farão uma enorme diferença", afirmou o primeiro-ministro Boris Johnson.

Em França, a situação também não mostra sinais de melhorar.

Já foram identificados em França cerca de quarenta casos da nova variante britânica da Covid-19.

As autoridades de oito regiões adiantaram o recolher obrigatório para as seis da tarde juntando-se assim a outras 15 regiões que o fizeram no fim de semana.

Em Itália, a maior parte do país regressou ao alerta amarelo, à exceção de oito regiões onde se verificam taxas elevadas de infeção que permanecem em alerta laranja.