EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Washington praticamente cercada antes da posse de Joe Biden

Washington praticamente cercada antes da posse de Joe Biden
Direitos de autor J-2 avant l'investiture de Joe Biden
Direitos de autor J-2 avant l'investiture de Joe Biden
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Forte dispositivo de segurança com milhares de soldados da Guarda Nacional destacados.

PUBLICIDADE

Washington é uma cidade praticamente cercada. Está irreconhecível depois da violência no Capitólio, numa altura em que continuam os preparativos para a tomada de posse de Joe Biden. O presidente eleito dos Estados Unidos apelou novamente à união do país.

Milhares de soldados da Guarda Nacional foram enviados para a capital e vão chegar mais 25 mil na quarta-feira, a tempo do juramento de Biden e de Kamala Harris

Foi estabelecida uma "zona vermelha" do Capitólio até à Casa Branca onde será impossível circular: só entram veículos autorizados e à volta desta zona também foram impostas algumas restrições. Várias ruas estão cortadas com blocos de cimento - a circulação será apenas permitida a residentes e profissionais autorizados.

Todos os guardas fazem um juramento e é para defender a Constituição de inimigos, estrangeiros e domésticos. E, como vimos, às vezes os inimigos estão mais perto do que se possa pensar.
Richard Idler
Guarda Nacional Delaware

Os Estados Unidos ainda recordam os distúrbios de 6 de janeiro, quando partidários de Donald Trump invadiram o Capitólio. Quase 70 manifestantes foram acusados.

A cerimónia da tomada de posse de Joe Biden acontece na quarta-feira, na presença de um número limitado de convidados e sem público. Em Washington, os soldados armados e os veículos blindados substituem os curiosos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

12 soldados afastados da segurança à tomada de posse de Joe Biden

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa