Última hora
This content is not available in your region

UE investe quatro mil milhões de euros no combate ao cancro

euronews_icons_loading
Paciente com linfoma recebe imunoterapia celular como parte de um estudo sobre novos tratamentos
Paciente com linfoma recebe imunoterapia celular como parte de um estudo sobre novos tratamentos   -   Direitos de autor  Elaine Thompson/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Na véspera do Dia Mundial de Luta contra o Cancro, celebrado a 4 de fevereiro, a Comissão Europeia apresentou um Plano de Combate dotado de quatro mil milhões de euros para contemplar prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação.

Dez iniciativas serão colocadas em prática até 2030, mas como mais de 40% dos cancros podem ser evitados, haverá novas propostas legislativas para reduzir alguns consumos.

“Queremos criar uma geração de europeus sem tabaco. Queremos reduzir o número de fumadores na Europa dos atuais 25% para 5% até 2040. O mesmo se aplica ao consumo prejudicial de bebidas alcoólicas, que queremos reduzir para 10% em 2025", anunicou Margaritis Schinas, vice-presidente da Comissão Europeia.

  • 2,7 milhões de pessoas foram diagnosticadas com cancro em 2020, na União Europeia, tendo morrido 1,3 milhões
  • O impacto nos sistemas de saúde e na economia é de cerca de 100 mil milhões de euros por ano
  • Em 2035, os casos de cancro poderão aumentar 25%, tornando-se a principal causa de morte na UE

Mais investigação

O plano será analisado, até setembro, pela Comissão Especial do Combate ao Cancro do Parlamento Europeu.

A vice-presidente dessa comissão, Sara Cerdas, eurodeputada portuguesa do centro-esquerda, disse à euronews que muito do investimento deverá ir para a investigação: “Em 50% das doenças oncológicas não sabemos quais são os fatores de risco. Por isso, precisamos de investir na investigação europeia e na nossa capacidade de desenvolver estudos epidemiológicos com uma abordagem a longo prazo para que possamos identificar os diferentes riscos fatores".

A Comissão Europeia admitiu que a pandemia de Covid-19 diminuiu, significativamente, as possibilidades de diagnóstico e tratamento do cancro pelo que irá desenvolver um plano de contingência para evitar que esses problemas se repitam.