Última hora
This content is not available in your region

Vacinação já chegou a um terço dos britânicos

euronews_icons_loading
Centro de Vacinação em Londres, Reino Unido
Centro de Vacinação em Londres, Reino Unido   -   Direitos de autor  BEN STANSALL/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

Todos os que têm fé nas vacinas podem entrar na Abadia de Westminster, no centro de Londres, para serem vacinados. O edifício é o mais recente local histórico a tornar-se num ponto de vacinação contra a Covid-19.

Em todo o mundo, mais de 312 milhões de doses foram já administradas. O cineasta Stephen Fry é uma das pessoas que receberam a vacina na abadia.

"Foi extraordinário fazer aqui na Abadia de Westminster, sabe, o local das grandes coroações. Acho que também estão a usar o museu de ciências, por isso, há um certo prazer", diz Stephen Fry.

Com mais de 22 milhões de pessoas inoculadas no Reino Unido, o governo afirma que a vacinação é um sucesso. Já o esquema de despistagem do vírus não brilha para uma comissão parlamentar que o considerou ineficaz apesar dos cerca de 43 mil milhões de euros investidos. O executivo defende-se.

"Nove milhões e 100 mil pessoas foram contactadas pelo Test and Trace, pessoas que certamente andariam por aí a espalhar ainda mais o vírus, desconhecendo estarem infetadas. Qualquer que tenha sido a experiência que tenhamos tido, como nação, boa ou má, poderia ter sido muito pior", refere Grant Shapps, ministro dos Transportes.

Itália também está a recorrer a edifícios emblemáticos para administrar vacinas. É o caso do centro de convenções Nuvem em Roma.

"Ver este centro de convenções, que nós acompanhámos desde o início, ser transformado num centro de vacinação, fico emocionada, observar como se tornou útil no esforço para nos fazer sair desta pandemia", explica Doriana Fuksas, co-arquiteta do centro de conferências 'Nuvem'.

Mas os confinamentos e as restrições continuam em vigor. Exatamente um ano depois da Organização Mundial de Saúde ter oficialmente declarado a crise da Covid-19 como pandemia, Malta apertou de novo as medidas sanitárias devido a um aumento significativo de infeções. No entanto, já com 18% por cento da população de 500 mil habitantes vacinada, as autoridades acreditam ser possível atingir a imunidade de grupo em meados do verão.