Última hora
This content is not available in your region

OMS quer resposta mais eficaz a emergências sanitárias

euronews_icons_loading
OMS quer resposta mais eficaz a emergências sanitárias
Direitos de autor  MTI/EPA/Roman Pilipej
Tamanho do texto Aa Aa

Encontrar formas para controlar rapidamente a pandemia e prevenir a próxima. Estes são os grandes objetivos da Assembleia Mundial da Saúde, que começou esta segunda-feira em Genebra.

No inicio dos trabalhos, o diretor-geral da OMS pediu palmas para os profissionais de saúde, especialmente para os que morreram por causa da covid-19. Tedros Ghebreyesus disse que "a pandemia ainda não acabou" e que o mundo continua "numa situação muito perigosa". Sublinhou as preocupações sobre o acesso desigual às vacinas e apelou a um esforço global para assegurar que 10% da população de cada país seja vacinada até setembro.

Tedros Ghebreyesus quer, no futuro, uma resposta mais rápida e eficaz a crises como a atual pandemia. “À medida que recuperamos e reconstruímos, temos de fazer mais do que deter os vírus. Temos de enfrentar as vulnerabilidades que permitem que os surtos se tornem epidemias e que as epidemias se tornem pandemias. ", defendeu o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde.

Sobre o desempenho da organização, a Assembleia Mundial da Saúde vai analisar uma

resolução avançada pela União Europeia sobre o reforço da rapidez e da resposta da OMS.

A resolução criaria um grupo de trabalho de seis pessoas para apresentar um relatório à assembleia no próximo ano. O texto reconhece "deficiências graves" na capacidade do mundo para preparar, prevenir, detetar e responder a emergências sanitárias.

"Temos de ter instituições que estejam à altura da tarefa, que satisfaçam as nossas ambições", disse Emmanuel Macron por videoconferênciam durante a reunião maioritariamente virtual. A OMS, disse ele, deve ser "robusta" e "flexível" em tempos de emergência e crise, e tem de ser completamente transparente para garantir que as pessoas confiem na organização".

Angela Merkel apoiou a ideia de um "conselho global de ameaça à saúde" e disse que os líderes deveriam dar à OMS "apoio financeiro e pessoal duradouro".