Última hora
This content is not available in your region

Alemanha rejeita reparações para o genocídio na Namíbia

euronews_icons_loading
Alemanha rejeita reparações para o genocídio na Namíbia
Direitos de autor  AFP PHOTO /NATIONAL ARCHIVES OF NAMIBIA
Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha rejeita os apelos vindos da Namíbia para reparações financeiras pelas milhares de mortes cometidas pelo exército alemão no início do século XX entre as etnias Herero e Nama.

Após longos anos de negociações, Berlim reconheceu, no final de maio, que tinha cometido genocídio e disponibilizou-se a pedir perdão à Namíbia e aos descendentes das vítimas, nesta declaração do ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas: "Vamos agora também chamar oficialmente a estes eventos o que eles foram na perspetiva de hoje: um genocídio". "Tendo em conta a responsabilidade histórica e moral da Alemanha, pediremos perdão à Namíbia e aos descendentes das vítimas".

O "mea culpa" surgiu na sequência do acordo entre Berlim e Windhoek, em que a Alemanha ofereceu 1,1 mil milhões de euros e ajuda financeira a ser paga ao longo de 30 anos e a ser aplicada no território dos povos Herero e Nama.

O acordo está a ser discutido no parlamento da Namíbia e não faltam críticas de deputados que exigem uma verdadeira reparação para a nação namibiana de centenas de biliões de euros. A Alemanha diz: Nem pensar!

Os historiadores consideram que foram mortos deportados ou exterminados pelas tropas do general Lothar Von Trotha 65.000 dos cerca de 80.000 membros de etnia Herero que viviam na área na altura, e pelo menos 10.000 dos cerca de 20.000 Nama. O genocídio ocorreu entre 1904 e 1908.