Última hora
This content is not available in your region

G7: Bruxelas espera "reforço do multilateralismo"

euronews_icons_loading
G7: Bruxelas espera "reforço do multilateralismo"
Direitos de autor  Diritti d'autore: Francisco Seco/Copyright 2020 The Associated Press
Tamanho do texto Aa Aa

Retomar o multilateralismo e reforçar a abordagem conjunta do Ocidente aos desafios globais comuns são as expectativas dos líderes da União Europeia para esta cimeira do G7.

Objetivos expressos em conferência de imprensa pela presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen: "O próximo tópico que analisaremos é a melhor forma de defender os nossos valores e promover os nossos valores, que é reforçar um multilateralismo forte e baseado em regras. E com o regresso dos Estados Unidos a uma arena global, aguardamos com grande expectativa que o G7 apoie uma ação eficaz para reforçar o multilateralismo".

Na preocupação dos líderes estão, entre outras questões, as ações da Rússia. O presidente do conselho, Charles Michel, deu mote do que se espera desta cimeira, afirmando: "Os parceiros do G7 partilham pontos de vista semelhantes sobre as atividades disruptivas da Rússia. A UE condena as atividades ilegais, provocatórias e perturbadoras contra a UE, os seus estados membros e não só".

Já no que respeita à China, os pontos de vista não serão tão semelhantes. Assuntos a discutir não faltam, tais como a pandemia, a retoma económica ou outros de que nos fala Guntram Wolff, diretor do Think Thank Bruegel: "Penso que Joe Biden já enviou alguns sinais importantes sobre o que pretende alcançar e estou certo de que haverá debates muito importantes sobre o processo de paz na Irlanda, sobre tributação e sobre muitas outras questões importantes".

Alguma destas questões Biden começará já a falar com Boris Johnson esta quinta-feira, como o impacto do Brexit na Irlanda do Norte. Os Estados Unidos esperam poder ajudar a desbloquear a questão entre Londres e Bruxelas.