EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Crise humanitária na RCA no Conselho de Segurança

Conselho de Segurança da ONU
Conselho de Segurança da ONU Direitos de autor ONU
Direitos de autor ONU
De  João Peseiro MonteiroNeusa e Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O agravamento da situação humanitária na República Centro Africana esteve em debate no Conselho de Segurança da ONU. O presidente em exercício da Conferência Internacional dos Países dos Grandes Lagos, o chefe de Estado angolano, defendeu o fim do embargo de armas para o governo legítimo.

PUBLICIDADE

A situação humanitária na República Centro Africana é desesperada.

Mais de metade dos quase cinco milhões de habitantes precisa de ajuda. O país esteve na agenda desta quarta-feira do Conselho de Segurança das Nações Unidas, onde falou o presidente de Angola, João Lourenço.

A Euronews conversou com chefe do Gabinete de Coordenação das Ações Humanitárias da ONU (OCHA) na República Centro Africana, Vedaste Kalima:

"Mais de metade da população está em situação de carência alimentar, com 1,8 milhões com necessidades humanitárias agudas, e a situação deteriorou-se completamente desde finais de Dezembro, na sequência da violência pós-eleitoral e dos confrontos subsequentes entre o exército regular e os vários grupos armados, o que criou novos movimentos de deslocação interna.

Quer se trate das Forças Armada, quer se trate dos "capacetes azuis", pedimos que os meios existentes sejam reforçados para garantir a segurança, e não apenas a segurança da população, pois a população precisa desta segurança, especialmente as populações enfraquecidas por esta violência, precisam também de ser assistidos aqueles que prestam assistência, os humanitários."

Angola preside a Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos e acolheu em 2021 duas cimeiras de chefes de Estado e de Governo para debater a situação e procurar uma solução regional.

O presidente João Lourenço deslocou-se à sede das Nações Unidas para partilhar com o Conselho de Segurança, esta quarta-feira, a visão dos países africanos.

Na véspera reuniu-se com o secretário-geral, António Guterres, a quem explicou porque é que os países da região pedem o levantamento do embargo de armas ao governo de Bangui, em vigor até ao final do mês de julho.

O especialista em gestão de conflitos em África, Konté Moenu, sintetiza a posição dos dirigentes dos países dos Grandes Lagos:

"O governo legitimamente eleito, que já tomou posse, tem o dever de defender as populações civis, tem o dever de proteger as populações, então esse governo precisa de meios, precisa de armas, para defender os civis e fazer frente a esses grupos armados, enquanto ocorrem as negociações para encontrar uma solução negociada."

O presidente angolano defendeu o fim do embargo de armas e sublinhou que agora é o momento adequado para a República Centro Africana formar as suas tropas, uma vez que conta com a presença dos "capacetes azuis" e de outras forças estrangeiras. O atual mandato dos soldados da ONU termina em novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha promete milhões em ajuda ao Sudão no aniversário da guerra

Primeiro-ministro do Haiti apresenta demissão

Angola aprovou a dispensa de visto de turismo até 90 dias