Estado de direito ensombra início da presidência eslovena da UE

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Estado de direito ensombra início da presidência eslovena da UE
Direitos de autor  Christian Hartmann/AP

A presidência rotativa eslovena da União Europeia começa envolta em controvérsias e críticas aos atropelos ao estado de direito do governo conservador.

Do programa do semestre constam a Implementação do plano de recuperação da UE, medi das anti-covid e o impulso ao processo de alargamento da UE para os Balcãs Ocidentais, mas o primeiro-ministro, Janez Jansa, ouviu em Estrasburgo sobretudo reflexões sobre o estado de direito.

A presidente da Comissão, Ursula Von Der Leyen pôs também a tónica nesse assunto, realçando a importância da "confiança em medidas sólidas de combate à corrupção e à fraude. Confiança nos meios de comunicação livres e nos tribunais independentes", afirmando: "Isto também é importante para os contribuintes europeus, porque eles acabam por financiar a recuperação. E, por isso, conto com o governo esloveno para continuar o importante trabalho sobre os ficheiros do Estado de direito".

Alguns eurodeputados não pouparam palavras para dizerem o que pensam e questionarem o chefe do governo esloveno, deixando claro que estão muito preocupados que a Eslovénia siga o caminho da Polónia e da Hungria.

A deputada do partido Renew Europe, Sophie in 't Veld, afirmou: "Sr. Jansa, esta casa manifestou sérias preocupações acerca da sua atitude em relação a estes valores. Não há mal-entendidos: os ataques aos jornalistas e aos meios de comunicação livres, a pressão sobre o poder judicial e a sua interferência na nomeação do procurador são intoleráveis". Por isso, a sua reivindicação de liderança da agenda do estado de direito não é muito credível".

A segunda presidência eslovena da União Europeia tem início 30 anos após o país ter alcançado a independência da antiga Jugoslávia. Janez Jansa era, na altura, um militante anticomunista e defensor convicto de uma Eslovénia soberana.