EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Afeganistão tenta regressar à normalidade

Afeganistão tenta regressar à normalidade
Direitos de autor Rahmat Gul/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Rahmat Gul/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Bruno Sousa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Talibãs dizem garantir a segurança do povo e divulgam mesmo vídeo do que dizem ser o regresso às aulas de um grupo de meninas

PUBLICIDADE

Uma semana depois de os talibãs terem assumido o poder no Afeganistão, o país tenta, pouco a pouco, voltar à normalidade. Em Jalalabad, depois do caos inicial e de uma manifestação contra os novos líderes que provocou três mortes, a população começa a arriscar um regresso ao quotidiano.

Fareed Ahmad é um comerciante que admite que "quando os talibãs chegaram, as lojas fecharam com medo de pilhagens" mas que já "voltaram a abrir e, de momento, estão felizes".

O discurso oficial também aponta nesse sentido e passa por convencer o povo de que é seguro voltar à rua e levar uma vida normal. A preocupação com a segurança é bem visível através do número de soldados talibãs na rua, no entanto não faltam relatos de perseguições aos funcionários da administração anterior.

Entre as promessas que os abusos do passado não se iriam repetir, os talibãs divulgaram mesmo um vídeo do que dizem ser o regresso às aulas para um grupo de meninas para mostrar que não se opõem à educação de mulheres.

Apesar das tentativas para voltar à normalidade, prevê-se complicada a reabertura das instituições oficiais. Os talibãs já fizeram saber, através da agência France-Presse, que enquanto estiverem soldados norte-americanos no país, não anunciarão a formação do governo. Por enquanto, o país está parado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Não há prazo no nosso trabalho"

Aliados europeus e britânicos criticam decisão de Biden

Biden mantém fim da retirada para 31 de agosto