Última hora
This content is not available in your region

"Não há prazo no nosso trabalho"

Access to the comments Comentários
De  Euronews com AP
euronews_icons_loading
"Não há prazo no nosso trabalho"
Direitos de autor  Sgt. Samuel Ruiz/U.S. Marine Corps via AP
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas continuam fora do aeroporto deCabul na esperança de uma oportunidade de deixar o Afeganistão em segurança. Apesar da garantia dos talibãs, de que será possível retirar cidadãos dos Estados Unidos (EUA), de países terceiros e “afegãos em risco” depois de agosto, os países ocidentais aceleram as saídas do país.

Esta quarta-feira, o secretário de Estado dos EUA garantiu que não há data para a retirada completa dos norte-americanos e cidadãos que apoiaram a missão de Washington no Afeganistão. Antony Blinken disse que cerca de 1.500 norte-americanos podem estar à espera de um voo.

Alguns afegãos estão a ser afastados do aeroporto por forças americanas que controlam os portões, apesar de terem aprovação para voos. "Cabe a 100% aos afegãos tentar lutar para sair", diz Sunil Varghese, diretor político do Proje**to Internacional de Assistência aos Refugiados**. "Aqueles que têm crianças pequenas e grávidas estão dispostos a correr riscos".

Em Cabul, a vida continua num impasse. Muitos trabalhadores da cidade ainda não regressaram ao trabalho e muitas pessoas, especialmente as mulheres, permanecem dentro de casa com medo.

Os talibãs garantem que as décadas de guerra terminaram e que não haverá ataques de vingança contra os opositores. Mas muitos afegãos desconfiam do grupo, e tem havido relatos de execuções e outros abusos em áreas controladas pelo novo governo.

Para milhares de pessoas, neste momento, o único objetivo é estar a bordo de um dos voos que vão deixam o país antes do dia 31.